Última hora

Última hora

As economias dos BRICS face aos desafios de 2014

Em leitura:

As economias dos BRICS face aos desafios de 2014

As economias dos BRICS face aos desafios de 2014
Tamanho do texto Aa Aa

As economias dos BRICS ganharam visibilidade nos últimos anos, mas o fenómeno parece agora menos relevante. Neste programa especial a partir do Fórum Económico Mundial, vamos falar das economias dos BRICS. Vamos analisar a sua robustez e de que modo estão a ser influenciadas pela recessão.

Colocadas na vanguarda do crescimento global, as economias dos BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – tiveram um percurso acidentado em 2013, mas 2014 promete mais desafios.

Fala-se este ano muito em Davos sobre o futuro dos novos mercados gigantes emergentes. Há quem preveja que em 2014 os BRICS venham a dar lugar aos novos emergentes – México, Indonésia, Nigéria e Turquia, também referidos sob a sigla MINT. O FMI , porém, recorda que os acrónimos da moda frequentemente não traduzem toda a história.

Alguns grupos de mercados emergentes incluem economias muito frágeis, segundo Zhu Min, responsável do FMI. Lembrando que “Os países com grandes défices de despesa corrente, dependem demasiado de capital externo, e os países que têm altos níveis de inflação, têm economias domésticas um pouco sobreaquecidas”, o economista do FMI sublinha que “Para estes países é muito importante tirar partido desta oportunidade de fazer reformas estruturais, para levar a cabo políticas de reconstrução do espaço fiscal e controlar a política monetária.”

O Brasil e a Índia – que fazem parte dos BRICS, e Indonésia e a Turquia – dos MINT, registam todos défices altos. Assim , apesar de ser expetativa generalizada uma melhoria das economias mundias em 2014, as opiniões estão divididas quanto ao desempenho dos mercados emergentes este ano.

A indústria automóvel é o principal indicador da saúde da economia global, pois quando a economia melhora, as pessoas compram carros. Sobre esta questão, falámos com Carlos Ghosn, presidente do conselho de administração da pareceria Renault-Nissan.

Isabelle Kumar, euronews: “Carlos Ghosn, obrigado por estar connosco. Agora que o seu império se estende ao globo, quais as áreas mundiais que considera de maior crescimento no mercado automóvel, em 2014?”

Carlos Ghosn:
“A China, sem sombra de dúvida.”

Isabelle Kumar, euronews:
“Vai entrar na China em 2016. Não lhe parece que já vai com algum atraso?”

Carlos Ghosn:
“Estou ao mesmo tempo já na China e a entrar na China. Como sabe, a Nissan é na China o maior fabricante japonês de automóveis, com cerca de 7% do mercado, e a Renault anunciou a entrada na China, o mercado chinês é-nos familiar e estamos muito otimistas sobre as oportunidades daquele mercado. No caso da Renault, o início de produção será em 2016, é esta a operação importante e a Renault tem potencial para alcançar pelo menos 3,5% do mercado chinês, num primeiro passo. Porquê 35%? Porque foi esta a nossa previsão para a Renault.”

Isabelle Kumar, euronews:
“E não o preocupa o abrandamento em curso na China?”

Carlos Ghosn:
“Nem por isso. E nem sequer vejo isso para 2014. Nos últimos dez anos, temos sempre alguém que no início do ano manifesta preocupação sobre a possibilidade de a China abrandar o crescimento, mas não aconteceu. O potencial do mercado chinês é ainda tão grande. mais de 90% das pessoas que compraram um carro em 2013 fizeram a sua primeira aquisição automóvel, o que quer dizer que o mercado chinês está a crescer, porque há muita gente a comprar carros pela primeira vez.”

Isabelle Kumar, euronews:
“Falando das economias mundiais, parece-lhe que a China é um caso à parte?”

Carlos Ghosn:
“A China mantém o crescimento médio dos BRICS a um nível muito mais alto e pensa em termos de investimentos em infra-estrutura, investimentos em educação – que são as forças de sustentação do crescimento económico. Estão a realizar um enorme trabalho e julgo que a Rússia, o Brasil e a Índia estão agora a tentar fazer é reforçar os investimentos em infra-estruturas e educação para alcançar o nível de crescimento de que necessitam ou que potencialmente podem ter.”

Isabelle Kumar, euronews:
“Fala-se dos MINT – México, Indonésia, Nigéria e Turquia – que planos tem a Renault para estes países?”

Carlos Ghosn:
“Avançamos. A Nissan é no México o principal fabricante de automóveis. A Renault está a vender, com grande dimensão na Turquia, que é um dos nossos maiores mercados. Temos investimentos na Índia, em Chennai, com uma produção prevista de 400 mil veículos por ano e estamos muito interessados em África. O que quero dizer, é que não existe nenhum país que tenha ficado esquecido por nós. Inteerssam-nos vários países e em particular, em África, há novas fronteiras para a indústria automóvel.”

Isabelle Kumar, euronews:
“E quanto à Europa?”

Carlos Ghosn:
“A Europa está a regressar. Depois de um declínio de cinco anos, quando o mercado europeu decresceu mais de 25%, temos pela primeira vez uma previsão positiva para 2014. Um crescimento de 1% não é muito, depois de uma descida de 25%, mas é bom ver esta inflexão no mercado europeu. Creio que a Europa estará num ritmo lento de crescimento para a indústria automóvel, graças à retoma de confiança dos consumidores. Estou cautelosamente otimista quanto às expectativas para o mercado europeu, mas nada será rápido, nada de significativo se passará nos próximos dois ou três anos.”

Isabelle Kumar, euronews:
“Por fim, tem algumas prognósticos para 2014? Que deveríamos esperar?”

Carlos Ghosn:
“Diria que teremos um ano de recuperação. Recuperação na Europa, recuperação no Japão, recuperação em alguns dos mercados emergentes que não tiveram em 2013 um grande ano, como foi o caso do Brasil, Rússia e Índia, onde o mercado automóvel manteve a recuperação, para chegar ao nível anterior a 2013.”

Carlos Ghosn é conhecido como um dos mais talentoso líderes mundiais na indústria automóvel, e a questão da liderança é importante no Forúm Económico Mundial. No mundo global de negócios pós-crise, é evidente que as coorporações têm de se adaptar e inovar para se manterem ao de cima. Claro que as decisões estão na mão de quem está à frente das empresas.

Falámos com alguns dos delegados presentes em Davos, para saber que características deve ter um líder em 2014. Entre as opiniões que registámos, houve quem apontasse para a capacidade de colaborar, a visão global, ou ainda a agilidade cultural, num mundo de diferentes culturas.

O presidente do conselho de administração da Heidrick and Struggles – empresa especialista mundial em Executive Search e consultoria Estratégica – diz que os melhores líderes de amanhã necessitam todos de uma qualidade a que chama “globalismo”: Ser capaz de agir em diferentes culturas – e ser eficiente em todos os níveis de organização, são as capacidades chave de liderança que nos interessam”, frisou.

No nosso próximo programa, analisaremos o papel das organizações humanitárias, que vêm a Davos recordar aos ricos e poderosos o privilégio de que usufruem e o potencial impacto positivo que podem ter no mundo.