Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Empresários e políticos discutem a economia da Guiné Equatorial, em Malabo

Empresários e políticos discutem a economia da Guiné Equatorial, em Malabo
Tamanho do texto Aa Aa

Decorre na capital da Guiné Equatorial, Malabo, um Simpósio sobre a Diversificação Económica para a Emergência do país. O evento reúne empresários e políticos de vários países e a euronews foi conhecer o que esperam da economia dos países africanos emergentes.

De acordo com um recente relatório das Nações Unidas, a maior parte dos países africanos deveria registar, em 2014, um crescimento económico superior à média mundial. Todavia, os contrastes persistem, como acontece em países em forte desenvolvimento, como a Nigéria ou a Guiné Equatorial, onde o PIB por habitante é o mais alto de África, mantendo-se porém em centésimo trigésimo sexto lugar na lista das Nações Unidas para os índices de desenvolvimento humano. Qual a razão para tal disparidade? Foi a questão que colocámos aos empresários e políticos reunidos em Malabo.

Michael Lamaswala trabalha entre a Grã Bretanha e a Zâmbia. Veio a este simpósio para expor as vantagens do investimento privado na Guiné Equatorial, que na sua opinião contribuirá para reduzir as desigualdades sociais e económicas.

“Se olhamos para os países europeus, conhecemos todos a história da Europa e quanto tempo levou, até muitas mudanças se tornarem realidade. Em África, se compararmos, o desenvolvimento, tendo em conta o período de tempo dessde o fim do colonialismo, as coisas têm acontecido rapidamente, muito mais depressa”, ressalva o presidente do conselho de administração da Blue Square Oil & Gas Limited. Segundo este empresário, “Em países como a Guiné Equatorial ou como a Nigéria, os responsáveis procuram assegurar agora que as camadas mais pobres tenham acesso à riqueza, convidando ao investimento direto estrangeiro e procurando munir os cidadãos com mais capacidades”.

Detentores de significativas reservas minerais, estes países estão a apostar na exploração mineira. “Com companhias como a minha a investir, vão ter também em atenção a educação da população. Uma população com um nível mais alto de educação, melhora a qualidade de trabalho”, acrescentou Michael Lamaswala.

Aos olhos de alguns dos investidores estrangeiros, há que fazer entrar a África, em geral, e a Guiné Equatorial, em particular, numa dinâmica de investimento mundial. Mas o tempo é pouco, pois, como sublinhou o ex-presidente nigeriano Olusegun Obasanjo, que governou o país entre 1999 e 2007.

De acordo com Obasanjo, “A África conhece hoje uma situação favorável ao desenvolvimento, face à crise que atravessam as nações mais desenvolvidas. O continente deve tirar partido disto rapidamente, pois uma oportunidade como esta passa depressa”.

Esta opinião é partilhada pelos analistas financeiros. Michele Carlsson, responsável pela estratégia de desenvolvimento no Médio Oriente e África, para o Nasdaq OMX Group INC., considera que no continente africano o investimento tem de ser feito também na área do desenvolvimento social.

“A mensagem que recebemos do governo nesta fantástica conferência é que estão empenhados em avançar no caminho certo”, afirmou Michele Carlsson, acrescentando que “Para empresas que procuram resultados imediatos, África não é o lugar certo, porque aqui as coisas vão precisar de mais tempo. África é para investidores que estão empenhados em contribuir para o desenvolvimento sócio-económico do país, a par, claro, dos seus próprios lucros”.

No momento da sua independência em 1968, a Guiné Equatorial era um dos países mais pobres da África central. Hoje é um dos países mais ricos e o terceiro maior produtor de petróleo bruto em África, depois da Nigéria e de Angola. Graças ao maná petrolífero, o país conheceu um forte crescimento económico. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, as mortes por paludismo caíram em 90% nos últimos cinco anos. Todavia, mais de metade da população vive ainda abaixo do limiar da pobreza. Depois do esforço feito ao nível das infra-estruturas, há que fazer agora esforços no plano social, sem esquecer o plano político, num país cujo regime é considerado uma ditadura.

Lembrando que o país “vem do zero”, Marcelino Owono Edu, ministro das Finanças da Guiné Equatorial, sublinhou que “Há que procurar desenvolvimento” e explicou que “Avançamos passo-a-passo. Creio que uma das prioridades do governo atualmente é desenvolver as capacidades humanas, o que significa saúde e educação. Este ano, foi consagrado ao setor social 35% do total do orçamento do governo.”

O governo da Guiné Equatorial anunciou o lançamento de um fundo de co-investimento de mil milhões de dólares, destinado a apoiar os investimentos estrangeiros fora do setor dos hidrocarbonetos. Como assinala o mais recente relatório da ONU, para conseguir em África uma consolidação e uma distribuição equitativa dos rendimentos, é necessário ter em conta investimentos a longo prazo e questões de durabilidade.

Este é um propósito partilhado por Lucas Abaga Nchama, governador do Banco dos Estados da África Central, que tem defendido que a Guiné Equatorial melhore o acesso à informação para acompanhar a diversificação da sua economia, sinónimo de uma real emergência: “Depois de ter desenvolvido as infra-estruturas, o país organiza este simpósio para entrar na diversificação, um caminho que deveria conduzir à emergência económica”. Para Abaga Nchama, “O verdadeiro pólo de crescimento para o futuro é a África, é a África central. O que hoje procuramos, é atingir um nível sutentável, que seja durável, a fim de atingirmos as metas de emergência.”