Última hora

Última hora

Comédia americana suscita "sorrisos amarelos" em Pyongyang

Em leitura:

Comédia americana suscita "sorrisos amarelos" em Pyongyang

Comédia americana suscita "sorrisos amarelos" em Pyongyang
Tamanho do texto Aa Aa

Um filme americano, cuja estreia está prevista para Outubro, ameaça inflamar ainda mais as relações entre Washington e Pyongyang. A Coreia do Norte considerou a película – uma comédia sobre um plano para assassinar Kim Jong Un – como “um ato de terrorismo”, ameaçando retaliar “sem misericórdia” se Washington não proibir a difusão do filme.

“The interview” (a entrevista) conta no elenco com os atores Seth Rogen e James Franco, que incarnam na tela um apresentador de um “talk-show” e o seu produtor que conseguem obter uma oportunidade rara: uma entrevista exclusiva com Kim Jong Un em Pyongyang. Uma oportunidade também para a CIA que vai conseguir recrutar os dois homens para assassinar o líder norte-coreano.

Um guião que está distante de fazer rir o regime comunista. O ministério dos Negócios Estrangeiros norte-coreano publicou um comunicado em que afirma que, “produzir e difundir um filme sobre um plano para atacar a nossa liderança é um ato evidente de terrorismo e de guerra e não pode ser tolerado”.

Apesar da rivalidade histórica entre o regime norte-coreano e os Estados Unidos, tanto Kim Jong Un como os dois antecessores não escondem a sua admiração pela cultura “pop” norte-americana. Recentemente Un tinha autorizado e supervisionado espetáculos com a participação de personagens da Disney ou com a música do filme “Rocky”. A antiga estrela do basketball norte-americano, Dennis Rodman, tinha mesmo viajado, em janeiro, a Pyongyang, como convidado especial do aniversário de Un.

Mas a nova crise diplomática ameaça ter implicações mais graves do que a habitual guerra de palavras entre os dois países quando Pyongyang mantém detidos três cidadãos norte-americanos acusados de vários crimes, entre os quais de espionagem, e o país permanece “tecnicamente” em guerra com um dos principais aliados asiáticos dos EUA, a vizinha Coreia do Sul.

O “sorriso amarelo” de Pyongyang e consequente reação virulenta promete, no entanto, funcionar como a melhor publicidade para o filme. Na sua conta twitter o ator Seth Rogen ironiza, “é a primeira vez que alguém quer matar-me por causa de um filme antes mesmo de pagar a entrada”.