Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Dubai aposta no maior centro comercial do mundo

Dubai aposta no maior centro comercial do mundo
Tamanho do texto Aa Aa

O Business Middle East coloca em foco aquela que é a maior Oferta Pública Inicial (OPI) nos Emirados Árabes Unidos desde o início da crise financeira.

As ações do grupo Emaar dispararam 12% no primeiro dia de transação nas bolsas graças à forte procura por parte de investidores árabes e ocidentais.

Através desta OPI, o Emaar pretende arrecadar fundos para a construção de um gigantesco centro comercial. O projeto Mall of the World – que também tem apoio público – está a gerar muitos debates neste período de retoma económica, sobretudo depois das fragilidades provocadas pela crise. A questão é: pode a história repetir-se?

O maior grupo imobiliário dos Emirados Árabes Unidos, Emaar, fez a entrada em bolsa da filial dedicada às grandes superfícies comerciais. Este foi o primeiro passo para financiar o Mall of the World, um inédito projeto que se estende por uma área de 4 milhões de metros quadrados. O custo previsto daquela que é uma das maiores empreitadas do mundo atinge os 5400 milhões de euros.
 
A ideia é construir dentro do Dubai uma outra cidade, um complexo ainda maior do que o Emaar Dubai Mall, que já é o maior e mais visitado shopping do planeta. A Oferta Pública Inicial representou ganhos que ultrapassam os 1250 milhões de euros. Alguns analistas destacam o impulso que isto vai gerar na indústria local de construção.
 
Craig Plumb, da Jones Lang LaSalle, afirma que “atravessámos um período no qual o mercado estava a crescer sem sustentabilidade e agora as coisas começam a estabilizar-se, o que é globalmente positivo. Há mais confiança entre os investidores e mais confiança entre os promotores imobiliários.”

A jornalista da euronews Daleen Hassan falou com Noureldeen Al-Hammoury, analista da ADS Securities, para ajudar a compreender melhor esta questão.

euronews: A atmosfera é otimista em torno da OPI da filial do Emaar. O que é que isto representa para a economia dos Emirados Árabes Unidos?

Noureldeen Al-Hammoury: Como explicaram na vossa peça, a confiança regressou e essa é a nota dominante não só nos Emirados Árabes Unidos, mas em toda a região. A economia está a evoluir de forma moderada, mas encorajadora. As empresas estão a expandir-se, também motivadas pelas expetativas de longo prazo como a organização da Expo 2020. Há mais confiança, mais oportunidades de negócio e uma das provas é esta OPI do Emaar Malls.

euronews: Alguns analistas avisam que o Dubai corre o risco de repetir o mesmo erro ao precipitar-se com tanta construção, um dos fatores que desencadeou a crise em 2009. Existe um risco concreto?

NAH: Até agora, não há riscos internos. O Dubai está a crescer moderadamente, estudou os passos que está a dar e aprendeu com o passado. No entanto, há sempre um risco externo. O abrandamento na Europa e na Ásia, juntamente com as incertezas sobre a economia americana, são um alerta para manter os olhos abertos.

euronews: Como avalia a estabilidade das bolsas na região do Golfo em comparação com os mercados europeus e americano, tendo em conta a tensão política no Médio Oriente?

NAH: Começando pelo Dubai e por Abu Dhabi, no verão assistimos a vendas apressadas devido às tensões geopolíticas e à situação da Arabtech. No entanto, o mercado recuperou 90% das perdas. Se olharmos para a Europa, para a Ásia e para os Estados Unidos, vemos que os mercados estão a ressentir-se ultimamente, sendo que a expetativa é que haja medidas em breve. As decisões recentes do BCE mostram que a situação na Europa é ainda pior do que o previsto; o abrandamento na Ásia é preocupante. Por isso, a região do Golfo continua a ter potencial para novas oportunidades.