Última hora

Indignação de Ferguson alastra aos quarto cantos dos Estados Unidos

Indignação de Ferguson alastra aos quarto cantos dos Estados Unidos
Tamanho do texto Aa Aa

Com epicentro em Ferguson, a onda de indignação e revolta, em resultado da ilibação do polícia que matou um jovem negro desarmado, ecoa pelos quatro cantos dos Estados Unidos da América.

Minneapolis, Houston, Nova Iorque, Los Angeles e Seattle são algumas das 170 cidades em 37 estados norte-americanos que se juntaram ao pedido por “justiça”, depois de um júri ter considerado que o agente da autoridade não devia ser julgado pela morte de Michael Brown, uma decisão raríssima na justiça, que leva quase sempre estes casos a julgamento.

Depois de a violência ter atingido um grau muito superior ao que se registou em agosto, aquando da morte do jovem negro, a noite passada foi bastante mais calma em Ferguson, facto que não é alheio ao reforço do contingente da Guarda Nacional, que tem agora mais de 2000 efetivos destacados neste subúrbio de St. Louis, onde vivem pouco mais de 20.000 pessoas.

O Presidente Barack Obama veio a público tentar colocar alguma água na fervura da revolta que tomou conta de parte da população norte-americana.

O agente de polícia que matou o jovem negro desarmado disse, numa entrevista, estar de “consciência tranquila” em relação aos seus atos e que só fez o seu trabalho.

As atenções da opinião pública voltam-se agora para as duas investigações em curso do Departamento de Justiça, que quer saber se houve violação dos direitos civis de Michael Brown e se a polícia mantém práticas discriminatórias na sua atuação.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.