Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Afeganistão: Depois da tempestade a esperança na bonança

Afeganistão: Depois da tempestade a esperança na bonança
Tamanho do texto Aa Aa

O Afeganistão atravessa um momento delicado. Depois de três décadas de guerra, corrupção e instabilidade, o país ainda sofre com os efeitos provocados pelas armas. Em particular, com os recorrentes ataques conduzidos no país pelos talibãs. Mas a esperança de um melhor futuro mantém-se viva.

Esta semana, por exemplo, ficou marcada por uma conferência em Londres sobre a situação do Afeganistão e a nevessidade de o país continuar a receber ajuda internacional. David Cameron já havia sido o primeiro governante estrangeiro a visitar de forma oficial o novo Presidente do Afeganistão. O primeiro-ministro britânico reiterou o prolongamento da ajuda aos afegãos e Ashraf Ghani agradeceu.

“Esta transição de um estado de guerra para outro sem guerra é bem-vinda. A garantia de que o treino, o aconselhamento e a assistência vão continuar é um voto de confiança. Por isso, uma vez mais, muito obrigado pelos compromissos financeiros. Tanto na vossa segurança, como na nossa”, afirmou Ghani, perante os jornalistas, numa mensagem direta a Cameron, mas extensível também a outros líderes internacionais que mantém a assistência ao Afeganistão neste momento de mudança.

Apesar de a guerra ser passado, a luta contra os talibãs, contudo, prossegue. Os atentados dos radicais islâmicos não abrandam. Um relatório da Nações Unidas (ONU) publicado no início deste ano concluía que a principal causa de morte no Afeganistão ainda eram os explosivos rudimentares que os insurgentes continuam a detonar em espaços públicos.

As bombas são responsáveis por quase um terço de todas as mortes entre civis afegãos. A ONU estima que estes artefactos explosivos tenham estado na origem de 2959 mortos e 5656 feridos, com ambas as partes no conflito a serem responsabilizadas, embora três quartos do balanço total de baixas sejam colocados no cadastro dos talibãs.

Ao mesmo tempo que tenta lidar com os talibãs, o Afeganistão procura também criar as condições para melhorar o nível de vida dos cidadãos. A ajuda internacional é considerada fundamental pelos novos governantes do país.

Clique aqui e descubra quais são os novos desafios que se colocam ao povo afegão