Ministro palestiniano morre após agressão de militares israelitas

Ministro palestiniano morre após agressão de militares israelitas
De  Euronews com Reuters, Afp, Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Morto após a agressão de militares israelitas, Ziad Abu Ein, responsável palestiniano pelos assuntos relacionados com os colonatos judaicos e o muro

PUBLICIDADE

Morto após a agressão de militares israelitas, Ziad Abu Ein, responsável palestiniano pelos assuntos relacionados com os colonatos judaicos e o muro foi a mais recente vítima da violência nos territórios ocupados da Cisjordânia.

No meio de uma altercação durante uma ação de protesto em Turmusiya perto de Ramallah, o palestiniano de 55 anos terá sofrido pancadas na cabeça, no peito e no pescoço por parte dos militares.

Estas foram algumas das suas últimas palavras: “ninguém atirou pedras ou foi violento, foram os israelitas ocupantes que usaram a força e nos bateram”.

Ziad Abu Ein, que tinha o estatuto de ministro, embora sem pasta, morreu a caminho do hospital.

O primeiro-ministro palestiniano, Rami Hamdallah, reagiu à morte de Ziad Abu. “Todos os dias estão a ser cometidos crimes contra o nosso povo, as nossas crianças, os idosos e líderes nacionais, como o mártir Ziad Abu Ein. Peço a todas as instituições internacionais que lidam com direitos humanos e os direitos dos palestinianos para criarem uma comissão de inquérito internacional”, declarou.

O presidente palestiniano Mahmmoud Abbas anunciou que serão tomadas medidas apropriadas depois de uma investigação.

As autoridades palestinianas decretaram três dias de luto e suspenderam a cooperação entre as forças de segurança palestinianas e israelitas.

Condenado em 1979 pelo assassinato de dois jovens israelitas e mais tarde libertado numa troca de prisioneiros, Ziad Abu Ein era uma voz ativa contra a expansão dos colonatos israelitas na Cisjordânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novos ataques de Israel em Gaza matam pelo menos 48 pessoas

Número de mortos em Gaza ultrapassa 29 mil. Tensão no Líbano segue em crescendo

Netanyahu rejeita pressões para parar ofensiva terrestre em Rafah. Últimos ataques matam mais de 40 palestinianos