Última hora
This content is not available in your region

Queda da moeda única salva zona euro da deflação

Queda da moeda única salva zona euro da deflação
Tamanho do texto Aa Aa

A Alemanha insiste nas novas regras da zona euro e repete: “Se os gregos recusarem aplicar as medidas de austeridade, serão deixados à sua sorte”.
Poderá esta tomada de posição de Merkel, significar que a Alemanha pondera deixar sair a Grécia da zona euro?
A hipótese avançada pela revista alemã “Der Spiegel”, já fez cair o euro. Esta queda, ao mesmo tempo que reflete a inquietação dos investidores, serve os interesse da Alemanha.

O analista Fidel Peter Helmer assume:

“Os países exportadores estão inegavelmente felizes com a baixa do euro pois os bens começam a ser baratos para os estrangeiros. “

As exportações são o motor da primeira economia da União. Em 2013, representaram 46% do PIB alemão.

A França é o primeiro destino, mas a seguir estão os Estados Unidos.

Um euro fraco, tem todas as hipóteses de estimular a procura americana dos produtos “Made in Germany” e, por isso, relançar a indústria que perde velocidade. O drástico recuo da produção do setor, no verão passado, quase fez cair a Alemanha na recessão.

A queda do euro, em simultâneo com o recuo do preço do petróleo, torna os combustíveis mais baratos para o consumidor e, portanto, mais rendimentos disponíveis para as famílias.

Jörg Krämer, explica:

“A combinação de um euro fraco com a baixa dos preços do petróleo, impulsionam consideravelmente a economia e, para nós, é uma importante razão de expetativa em termos de saída da economia alemã da estagnação em que viveu nos últimos meses, e de crescimento lento.”

Outro efeito do euro em baixa é a inflação importada, porque o risco deflacionista acentua-se na zona euro; na Alemanha, os preços aumentaram 0,1% em dezembro e em Espanha recuaram mesmo 1,1%.

O Banco Central Europeu teme uma espiral como no Japão, onde os consumidores adiam as compras, à espera que os preços desçam.

A solução proposta por alguns economistas é a compra massiva de ativos, o mesmo que produzir moeda. Berlim considera a operação demasiado cara.

A saída da Grécia da zona euro, pode custar muito caro à Alemanha, que detém 65 mil milhões de euros da dívida grega.

Berlim desmentiu as afirmações do “Der Spiegel”, mas o facto é que a baixa do euro lhe é favorável.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.