Última hora
This content is not available in your region

Organizações terroristas islâmicas "usam cada vez mais mulheres"

Organizações terroristas islâmicas "usam cada vez mais mulheres"
Tamanho do texto Aa Aa

Mulheres militantes em organizações islâmicas terroristas, como é alegadamente Hayat Boumeddiene, procurada pelas autoridades francesas no âmbito dos recentes ataques de Paris, não são muito comuns, mas é uma prática crescente. Para percebermos mais sobre o assunto, a Euronews entrevistou Mia Melissa Bloom, professora de Estudos de Segurança na Universidade de Massachusetts.

“Uma mulher envolvida numa organização terrorista envergonha os homens que dela fazem parte e os grupos podem afirmar coisas, como por exemplo, que os homens que não aderem à organização estão a esconder-se atrás das mulheres.

Também garante que o grupo terrorista fique mais geracional porque são as mulheres que vão criar as crianças naquele ambiente, crianças que depois vão seguir as pegadas dos pais.

A noção de que as mulheres apenas são radicais porque perderam alguém querido ou porque um marido foi assassinado é controversa, pelo menos vendo as imagens de Hayat Boummedienne com um ‘Hijab’ com uma besta. Ela é radical desde o principio, antes do marido ou companheiro ter sido morto.

Os grupos que nunca antes usaram mulheres, como os Talibãs, e mais recentemente o al-Shabab, recorrem agora a essa prática e cada vez mais. Por isso, se estas sociedades ultraconservadoras, por vezes filiadas na Al-Qaida recorrem a mulheres em locais onde as elas estão literalmente confinadas, longe do público, então vemos que estes grupos se tornaram muito instrumentais a usar as mulheres”, diz Mia Melissa Bloom.