EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Dez dias no "Estado Islâmico": a ousadia de um jornalista alemão

Dez dias no "Estado Islâmico": a ousadia de um jornalista alemão
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Dez dias com o grupo Estado Islâmico em Mosul, no Iraque, e em Raqqa, na Síria. O jornalista alemão Jurgen Todenhofer difundiu, esta semana, as

PUBLICIDADE

Dez dias com o grupo Estado Islâmico em Mosul, no Iraque, e em Raqqa, na Síria. O jornalista alemão Jurgen Todenhofer difundiu, esta semana, as imagens de uma reportagem inédita com o grupo armado islamita, e em especial com combatentes de origem alemã que, frente às câmaras, não escondem as ambições de, “um dia conquistar a Europa”.

Todenhofer, que no passado foi um crítico das ofensivas estrangeiras no Iraque e no Afeganistão afirma ter realizado a perigosa reportagem para tentar mostrar a realidade no terreno.

O jornalista alemão, que rejeita ter cedido à propaganda, torna-se num dos poucos profissionais de comunicação a regressar vivo da experiência após o grupo armado ter decapitado vários jornalistas britânicos e norte-americanos.

A euronews entrevistou o intrépido jornalista.

**“O Estado Islâmico é filho de George W.Bush”**Euronews:
Senhor Todenhofer, o que tem a dizer das recentes operações anti-terroristas em toda a Europa e em particular na Bélgica?

Jurgen Todenhofer, jornalista:
Penso que as forças de segurança devem fazer tudo o necessário, mas tendo cuidado para não criar uma histeria em torno destes temas.

euronews:
Desde há vários anos que, nos seus livros, pede mais compreensão para o Islão. Pensa que a religião muçulmana foi tratada de forma injusta?

Jurgen Todenhofer:
Nos últimos 200 anos não houve nenhum país árabe que atacasse o ocidente. Temos que explicar porque é que levámos a cabo guerras no Iraque, no Afeganistão e na Líbia. E os que procuram uma razão para a existência desta organização terrivel que é o Estado Islãmico devem procurá-la na história recente, o grupo foi criado semanas depois da invasão americana a Bagdade. O Estado Islâmico é o filho de George W. Bush. E a violência que nos atinge neste momento não é mais do que o “boomerang” das nossas próprias guerras.

euronews:
O que é que o surpreendeu mais na sua viagem aos territórios controlados pelos islamitas?

Jurgen Todenhofer:
Que esta organização é mais forte do que pensam os nossos homens políticos que não parecem ter qualquer estratégia contra este grupo, pois bombardear cidades com 5000 combatentes poderia causar também a morte de milhares de civis, o que conduziria mais pessoas ao terrorismo, sem derrotar o grupo Estado Islâmico.

euronews:
Pensa que deveria ter sido mais incisivo e mais crítico nas questões que colocou aos jihadistas?

Jurgen Todenhofer:
O que eu penso, e em especial o que penso sobre o Estado Islâmico não é o importante, embora já o tenha escrito por várias vezes. A minha opinião é devastadora. O importante era saber o que é que eles pensam. E posso dizer a cada jornalista que queira saltar para a boca do lobo que é preciso ser duro e que eu posso permitir-lhes entrar e falar com quem queiram, inclusivé com líderes islamitas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Houthis atacam navio no Mar Vermelho com drone

França aperta medidas de segurança antes da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos

Ucraniano pró-russo detido em hospital francês por suspeita de planear um atentado