EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

A sátira do Charlie incendeia o mundo muçulmano

A sátira do Charlie incendeia o mundo muçulmano
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

“Eu não sou Charlie” – Dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se em Grozny, a capital da Chechénia, contra as caricaturas do semanário francês

PUBLICIDADE

“Eu não sou Charlie” – Dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se em Grozny, a capital da Chechénia, contra as caricaturas do semanário francês, Charlie Hebdo, sobre o profeta Maomé.

Homens mulheres e crianças exibiram cartazes que pedem o fim dos ataques satíricos ao Profeta Maomé, a figura mais sagrada do Islão.

“O que está a acontecer em França, esses desenhos são uma dor insuportável para cada muçulmano. Nós queremos dizer às pessoas que devem deixar-nos em paz”, refere um manifestante.

A concentração atravessou a principal via da capital ainda em reconstrução, após duas guerras separatistas contra a Rússia que mantém sob mão de ferro a região, situada no norte do Cáucaso.

Movimentos semalhantes de contestação abalaram a maior parte dos países muçulmanos.

Em Jalalabad, no leste do Afeganistão, cerca de 500 manifestantes protestaram e queimaram bandeiras francesas.

A embaixada da França em Teerã também foi escolhida como o ponto de encontro de 2.000 manifestantes iranianos que exigem desculpas da França.

Em Gaza, a bandeira francesa foi também queimada e ameaças lançadas contra os franceses por cerca de 200 radicais islâmicos.

Os protestos mais violentos contra as caricaturas de Maomé, ocorreram no Níger.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Forças de segurança realizam operações na capital da Nova Caledónia para controlar onda de violência

Presidente da Geórgia garante em entrevista à Euronews que vai vetar lei dos "agentes estrangeiros"

Nemo quebrou o código: Concorrente da Suíça é primeira pessoa não-binária a vencer a Eurovisão