Última hora
This content is not available in your region

Divulgada identidade de decapitador do Estado Islâmico

Divulgada identidade de decapitador do Estado Islâmico
Tamanho do texto Aa Aa

No Reino Unido, multiplicam-se as perguntas com a divulgação da alegada identidade de “Jihadi John.”

Ao que tudo indica, o apelido que motivou tanta especulação corresponde a Mohammed Emwazi, que vivia nos arredores de Londres e que é parecido com o homem que surge a decapitar reféns ocidentais em alguns vídeos do autodenominado Estado Islâmico.

Emwazi terá aparecido pela primeira vez em imagens do assassinato do jornalista norte-americano James Foley, divulgadas na Internet. O mistério também intriga a própria mãe de Foley.

“Ele beneficiou de uma boa educação e continua a utilizar as competências e o talento para o ódio e brutalidade”, diz Diane Foley.

De nacionalidade britânica, ao que tudo indica Mohammed Emwazi estava identificado pelos serviços de segurança, o que gerou polémica.

De acordo com o jornal “Daily Mail”, Emwazi é um licenciado em Programação Informática de 27 anos que nasceu no Kuwait, mas chegou a Inglaterra aos seis anos e cresceu num bairro de classe média.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, elogia o desempenho das autoridades: “Fico satisfeito por termos em marcha os métodos corretos para escrutinar o trabalho que homens e mulheres extraordinários fazem em nosso benefício. Nos últimos meses evitaram-se ataques no Reino Unido que poderiam ter provocado danos consideráveis. Por isso, julgo que é altura de agradecer-lhes pelo trabalho que fazem em nosso nome.”

A questão sobre o que fazer para impedir a radicalização e o recrudescimento do terrorismo não é de reposta fácil, como explica o analista Matt Bryden: “O problema é o equilíbrio entre democracia e uma resposta mais vigilante. Porque num país autoritário, ele teria sido varrido e colocado numa prisão com base em suspeitas. Mas nós precisamos de um nível mais elevado de provas para condenar nos países ocidentais.”

O Governo britânico não esconde a preocupação pelo aumento do número de jovens que partem para à Síria para integrar o Estado Islâmico. Os casos continuam a fazer notícia com regularidade.