EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Tunísia em estado de choque após ataque terrorista

Tunísia em estado de choque após ataque terrorista
Direitos de autor 
De  Fernando Peneda com Lusa/Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Na Tunísia fortes medidas de segurança foram implementadas à volta do Museu Bardo após o ataque terrorista que provocou a morte a pelo menos 20

PUBLICIDADE

Na Tunísia fortes medidas de segurança foram implementadas à volta do Museu Bardo após o ataque terrorista que provocou a morte a pelo menos 20 turistas e três cidadãos tunisinos.

Segundo fontes oficiais as autoridades identificaram os dois suspeitos do ataque como sendo Yassine Abidi e Hatem Khachnaoui.

O presidente da Tunísia, Beji Caid Essebsi, já reagiu ao duro golpe na jovem e frágil democracia.

“Que Deus perdoe a quem fez isto. Não devemos chorar o nosso destino, mas sim, utilizar todos os meios para acabar com o terrorismo. Os tunisinos devem ser solidários com o Estado e apoiar as nossas forças de segurança e os nossos soldados”, disse o Chefe de Estado.

O ataque ao Museu Bardo, que se situa ao lado do Parlamento, durou cerca de quatro horas e não foi ainda reivindicado.

Os dois atacantes foram abatidos pelas forças de segurança.

Em Tunes, centenas de cidadãos concentraram-se à noite em frente ao teatro da Avenida Habib Bourguiba, para denunciar o ataque terrorista e entoaram o hino nacional.

Este ataque é um rude golpe no turismo tunisino que representa cerca de 7% do PIB e que dá trabalho a 20% da população.

Após a Primavera Árabe, o turismo caiu a pique a só começava agora a recuperar.

Dados do Ministério do Turismo indicam que só no ano passado, mais de seis milhões de turistas visitaram o país, um número ainda assim abaixo da média de sete milhões e meio de visitantes antes da revolução.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acordo para acolher migrantes retidos entre Tunísia e Líbia

União Europeia e Tunísia assinam parceria estratégica

Crise de migrantes motiva nova viagem da "team Europa" à Tunísia