Sudão, Egito e Etiópia com acordo de princípios sobre a barragem da Grande Renascença

Sudão, Egito e Etiópia com acordo de princípios sobre a barragem da Grande Renascença
De  Fernando Peneda com EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Os presidentes do Sudão, Omar al Bashir, do Egito, Abdelfatah al Sissi, e o primeiro-ministro da Etiópia, Haile Mariam Dessalegne, assinaram esta

PUBLICIDADE

Os presidentes do Sudão, Omar al Bashir, do Egito,
Abdelfatah al Sissi, e o primeiro-ministro da Etiópia,
Haile Mariam Dessalegne, assinaram esta segunda-feira em Cartum uma declaração de princípios sobre a polémica barragem da Grande Renascença.

Antes da assinatura do documento os três líderes discutiram a fórmula que permite ao Egito e ao Sudão manter as respetivas quotas de água depois de concluída a construção barragem.

“Haverá desenvolvimento e crescimento para vocês e congratulo-me com isso, mas não se esqueçam que no Egito vive-se com a água que vem desse rio”,sublinhou o presidente al-Sissi.

Inicialmente o Egito considerava que o projeto prejudicaria o seu abastecimento de água, que já é insuficiente.

“Esta construção não prejudicará os povos dos três países e, especificamente, o do Egito”, afirmou o primeiro-ministro etíope.

A construção da barragem, cujo custo ascende a cerca de 3.700 milhões de euros, começou em 2011, no Nilo Azul e a sua conclusão está prevista para 2016. Será capaz de produzir níveis de energia equivalentes aos de seis centrais nucleares.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais de 10 milhões de crianças foram obrigadas a abandonar as suas casas em 2023

Uma cerveja norte-americana feita a partir de águas residuais

"Caravana da água" chegou a Paris