Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Calciopoli: A culpa morreu solteira

Calciopoli: A culpa morreu solteira
Tamanho do texto Aa Aa

Habituados a passar entre os pingos da chuva, os antigos dirigentes da Juventus, Antonio Giraudo e Luciano Moggi, escaparam à condenação no célebre caso Calciopoli. Não foram os únicos, dos 36 acusados, só um, o árbitro Massimo de Santis foi condenado nos tribunais civis.

No entanto, isso não significa necessariamente que estavam inocentes, aliás, foram mesmo considerados culpados de conspiração criminosa e chegaram a ser condenados à prisão.

Entre recursos, julgamentos e condenações, o supremo tribunal italiano colocou um ponto final ao processo esta terça-feira ao decretar que a acusação prescreveu.

O Calciopoli remonta a 2006, com o escândalo de manipulação de resultados a afetar todo o futebol italiano, particularmente a Juventus, condenada a descer de divisão.

Para os principais responsáveis, o crime compensou mesmo que tivessem de esperar nove anos para confirmar que como é habitual nestes casos, a culpa morre solteira.