Presidente da China quer parceiros na "Rota da Seda"

Presidente da China quer parceiros na "Rota da Seda"
De  Ricardo Figueira com REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Apesar do abrandamento económico, Xi Jinping acredita na força da china para atrair parceiros.

PUBLICIDADE

Com o crescimento de dois dígitos a pertencer ao passado, com a subida do PIB prevista em 7%, para este ano, o presidente chinês Xi Jinping diz que há vida para além do crescimento económico.

Xi abriu o Fórum Económico da China com uma mensagem para os outros países da Ásia que participam nas infraestruturas batizadas “Rota da Seda do Século XXI”.

“A construção da cintura económica e da rota marítima da seda, tal como o estabelecimento de um banco asiático de investimento em infraestruturas, estão abertos a todos. Convidamos todos os países nesta rota e todas as nações asiáticas a participarem. Recebemos também de braços abertos os amigos de outros continentes que quiserem juntar-se à causa”, disse Xi Jinping.

Entre esses amigos, esteve no fórum um representante europeu, o primeiro-ministro holandês Mark Rutte: “Os fluxos de comércio bilaterais e inter-regionais entre a Ásia e a Europa são já os maiores do mundo. Dependemos um do outro. É um facto. Por exemplo, a estabilidade financeira da Eurozona influencia diretamente a taxa de crescimento nos países da Ásia, tal como a emergência de uma classe média próspera em grandes partes da Ásia é crucial para o futuro da Europa”.

O crescimento de 7% previsto para este ano pelo governo de Pequim é um número revisto em baixa em relação aos 7,5% que tinham sido previstos anteriormente. É também o crescimento económico mais baixo dos últimos 25 anos.

China GDP: There is a broad consensus that the days of double digit growth are over (http://t.co/Mwk3q177tZ) pic.twitter.com/7NY68aQull

— Thomson Reuters (@thomsonreuters) March 26, 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

China acaba com conferência de imprensa anual do primeiro-ministro

Parlamento Europeu quer limitar influência da China nos portos da União Europeia

População da China diminui pelo segundo ano consecutivo