Austrália: Protesto anti-islâmico gera confrontos

Austrália: Protesto anti-islâmico gera confrontos
De  Euronews com EFE, Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Protestos contra o islamismo radical geraram manifestações antirracistas em várias cidades australianas. Os dois grupos acabaram por se afrontar com

PUBLICIDADE

Protestos contra o islamismo radical geraram manifestações antirracistas em várias cidades australianas. Os dois grupos acabaram por se afrontar com alguma violência em Melbourne, onde se registaram alguns feridos e a polícia deteve três pessoas. Os ativistas que militam por uma Austrália multicultural criticaram o movimento Recuperar a Austrália de ser antimuçulmano. “Eles têm um problema com estas pessoas, que não percebem, e por isso têm medo. Nós, os australianos, é suposto sermos um povo acolhedor” – denunciou uma manifestante.

O movimento Recuperar a Austrália recebeu o apoio da controversa Pauline Hanson, fundadora do partido ultranacionalista One Nation. “Sete islamistas planearam um atentado bombista na final do mundial de críquete em Melbourne. Se tivessem sido bem-sucedidos teriam matado milhares de homens, mulheres e crianças. Um dos envolvidos estava a viver na Austrália há 19 anos graças aos subsídios da segurança social” – afirmou um dos organizadores do protesto anti-islâmico.

Em Sydney, a concentração decorreu diante da cafetaria que, em dezembro, foi palco de um sequestro que resultou em três mortos, protagonizado por um homem que disse agir em nome do Estado Islâmico.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vinícius Júnior, jogador do Real Madrid, não conseguiu conter as lágrimas ao falar de racismo

Quatro suspeitos de terrorismo detidos na Suécia

Será que a Alemanha pode ser neutra em relação à guerra de Gaza?