EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Novos confrontos no Burundi

Novos confrontos no Burundi
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Forças policiais dispersaram esta segunda-feira na capital do Burundi, Bujumbura, novas manifestações contra a decisão do presidente Pierre

PUBLICIDADE

Forças policiais dispersaram esta segunda-feira na capital do Burundi, Bujumbura, novas manifestações contra a decisão do presidente Pierre Nkurunziza de concorrer a um terceiro mandato.

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, cerca de 15 mil pessoas abandonaram o país para procurar refúgio no Ruanda para fugir à violência, receando o aumento da violência com a aproximação das eleições. A oposição queixa-se de um crescendo de pressão por parte dos apoiantes de Nkurunziza – o partido no poder e o clã do presidente.

A decisão do partido de Nkurunziza de apoiar a sua candidatura às presidenciais de 26 de junho faz sair à ruas os opositores, que consideram anticonstitucional um terceiro mandato.

A constituição do Burundi estabelece um limite de dois mandatos presidenciais, mas o partido no poder, o Conselho Nacional para a Defesa da Democracia-Forças pela Defesa da Democracia (CNDD-FDD), insiste que Nkurunziza pode concorre a um terceiro, pois o primeiro mandato foi de nomeação parlamentar e não por voto popular.

Os confrontos com a polícia nos subúrbios de Bujumbura, provocaram no domingo cinco mortos. Apesar de terem sido proibidas pelo governo, as manifestações continuaram esta segunda-feira, com o exército nas ruas para bloquear o acesso às zonas centrais da capital.

A comunidade internacional apelou nos últimos meses a que Pierre Nkurunziza desistisse de uma terceira candidatura, temendo precisamente que a violência tomasse conta do país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais uma morte na Nova Caledónia. França acusa Azerbaijão de fomentar a violência no arquipélago

Chefe da diplomacia da UE aconselha Estados-membros a faltarem à tomada de posse de Putin

Centenas de refugiados começaram a atravessar a fronteira de Myanmar para a Tailândia