França: 10 anos depois de Clichy-sous-Bois

França: 10 anos depois de Clichy-sous-Bois
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Foi aqui, nesta central elétrica em Clichy-sous-Bois, nos arredores de Paris que, em outubro de 2005, dois adolescentes morreram eletrocutados. Os

PUBLICIDADE

Foi aqui, nesta central elétrica em Clichy-sous-Bois, nos arredores de Paris que, em outubro de 2005, dois adolescentes morreram eletrocutados. Os jovens fugiam da polícia que realizava uma operação na zona.

Zyed Benna, de 17 anos, e Bouna Traoré, de 15, esconderam-se com outro amigo na central elétrica.

Uma década depois as famílias dos dois jovens reclamam de um sistema de justiça demorado e desigual.

“Esperamos 10 anos para ouvir o que a polícia tem a dizer, para saber a verdade”, afirma Adel Benna, irmão de Zyed.

A morte dos dois adolescentes gerou uma onda de violentas manifestações, nos subúrbios da capital francesa e um pouco por todo o país.

Durante três semanas o país da Liberdade, Igualdade e Fraternidade viveu em sobressalto. Milhares de automóveis foram incendiados, em 200 cidades de França.

Milhares de jovens provenientes das classes mais desfavorecidas manifestaram-se contra o desemprego e a exclusão social.

O escalar da violência levou a que o governo de Paris declarasse o Estado de emergência, a 8 de novembro, pela voz do então ministro do Interior, Nicolas Sarkozy. “Vou apresentar ao primeiro-ministro um decreto simples para a aplicação da lei de 1955, mas é uma decisão de princípio. Vamos assegurar como e medir a evolução dos eventos e a sua aplicação direcionada.”

No início deste ano, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, reconheceu a existência de sentimentos de alienação nos subúrbios. Disse, ainda, que existe, em França, uma “espécie de apartheid social e étnico”.

10 anos depois Clichy-sous-Bois melhorou mas o desemprego afeta cerca de 20 por cento da população, o dobro da média nacional. Há bairros onde cerca de 40 por cento da população não tem trabalho.

Em janeiro Valls afirmou que a França não pode tolerar a “guetização”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Família das vítimas indignada com absolvição de polícias franceses em caso de 2005

Polícia encontra mais de 60 quilos de canábis em casa de autarca francesa

Polícia francesa expulsa dezenas de migrantes de Paris a quase 100 dias dos Jogos Olímpicos