Última hora
This content is not available in your region

Restauro da Academia Liszt vence prémio Europa Nostra

Restauro da Academia Liszt vence prémio Europa Nostra
Tamanho do texto Aa Aa

A Academia Liszt, em Budapeste, venceu recentemente o prémio Europa Nostra.

Aqui sentimos os espíritos de Kodaly, Bartok, Ligeti, Dohnanyi e do fundador Franz Liszt.

O galardão da Comissão Europeia recompensa anualmente trabalhos excecionais no domínio do Património Cultural.

As obras de renovação da escola de música fundada por Franz Liszt em 1875 desenrolaram-se ao longo de dois anos.

O projeto baseou-se na planta original do edifício, em descrições e em fotografias.

O monumento mantém as características originais mas no interior foi equipado com tecnologias modernas.

“Não só conseguimos manter o interesse das pessoas pela academia como aumentámos a popularidade da instituição. Em parte isso deve-se à beleza do edifício que recebeu o prémio Europa Nostra. Por um lado, restaurámos os vários espaços de forma cuidada e respeitando a época. Por outro lado, instalámos equipamentos com base nas tecnologias mais avançadas do século XXI”, avançou a reitora da Academia Liszt, Andrea Vigh.

Enquanto organização, a academia divide-se em duas partes, a sala de concertos e a faculdade que tem atualmente 168 alunos.

A soprano húngara Eva Marton faz parte do corpo docente da instituição.

Aqui podemos ouvir e sentir o espírito dos antepassados, todos os dias. Dou aulas com um espírito de devoção e com amor, é uma forma de retribuir aos alunos o amor que recebi. Aqui sentimos os espíritos de Kodaly, Bartok, Ligeti, Dohnanyi e do fundador Franz Liszt”, afirmou Eva Marton.

As obras de renovação da Academia Liszt foram financiadas em 90 por cento pela União Europeia, os restantes 10% ficaram a cargo do governo húngaro.

O edifício localizado no centro de Budapeste é uma das atrações turísticas da cidade. A lista de espetáculos da próxima temporada inclui um concerto da pianista portuguesa Maria João Pires.