Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Seul e Pyongyang à mesa de negociações para evitar uma guerra

Seul e Pyongyang à mesa de negociações para evitar uma guerra
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Seul e Pyongyang fazem passos para evitar um conflito armado que parecia inevitável.

Negociações iniciadas este sábado ao mais alto nível hierárquico, reuniram, na povoação fronteiriça de Panmunjom, dois altos representantes sul-coreanos – o ministro da Unificação Hong Young-Pyo e o conselheiro de Segurança Kim Kwan-Jim – e o alto responsável da Defesa norte-coreana e número dois do regime de Pyongyang, Hwang Pyong-So, acompanhado pelo secretário do Partido dos Trabalhadores, Kim Yong-Gon.

A reunião foi anunciada a duas horas do termo de um ultimato pronunciado na sexta-feira pelo líder norte-coreano Kim Jong-Un.

A Coreia do Norte tinha ameaçado o vizinho do sul com uma “guerra total”, se Seul não fizesse calar os altifalantes que na fronteira fazem propaganda contra o regime de Pyongyang.

Os altifalantes sul-coreanos foram reativados no dia 10 de agosto, após um intervalo de 11 anos, depois de no início do mês a explosão de uma mina anti-pessoal, na fronteira ter mutilado dois soldados sul-coreanos.

Nas últimas horas, a tensão redobrou entre as duas Coreias, com o exército do norte a declarar que as suas unidades estavam já em “estado de guerra” e prontas a atacar, e o chefe da diplomacia de Pyongyang a falar de uma “situação irreversível”, enquanto caças americanos e sul-coreanos efetuavam exercícios de simulação de bombardeamentos.