This content is not available in your region

Alemanha suspende Protocolo de Dublin para lidar com crise de refugiados

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com REUTERS, AFP, EBU, APTN
euronews_icons_loading
Alemanha suspende Protocolo de Dublin para lidar com crise de refugiados

Na Alemanha, o governo federal anunciou esta terça-feira a suspensão da aplicação do protocolo de Dublin numa altura em que o país espera acolher até 800 mil refugiados este ano. No entanto, a falta de infraestruturas adequadas está a dificultar a tarefa. Por exemplo, na Baixa Saxónia, um campo de acolhimento com capacidade para 700 refugiados alberga neste momento 3 mil pessoas.

“Não temos lugar para ir, não há sítio para dormir. Ontem dormimos no restaurante. Houve quem dormisse ao relento; outros dormiram no corredor. Não há lugar. Há demasiada gente”, afirma um dos refugiados residentes no campo.

O governo alemão foi o primeiro país europeu a suspender a aplicação do protocolo de Dublin que define que os requerentes a asilo no espaço europeu devem permanecer no país de entrada. A suspensão do protocolo abre as portas à permanência no país de refugiados sírios.

A questão foi abordada esta terça-feira durante a visita ao campo do ministro do Interior alemão, Thomas de Mazière.

“Os habitantes de Friedland sabem o que é integração e são acolhedores mas esperam que seja feito algo urgente ao nível dos recursos. Ficaríamos muito agradecidos”, disse o

Durante a visita o alto funcionário condenou a ocorrência de um incêndio suspeito num ginásio que estaria a ser preparado para servir de alojamento de emergência para requerentes a asilo.

O sinistro teve lugar em Nauen, uma localidade próximo de Berlim.

Num incidente separado, a sede do Partido Social-Democrata, SPD, em Berlim foi evacuada este terça-feira devido a um alerta de bomba.

O alerta ocorreu após a visita do presidente do partido Sigmar Gabriel a Heidenau, localidade da antiga RDA e palco de confrontos violentos durante o fim de semana.

Segundo a secretária-geral do SPD, o partido teria recebido várias ameaças de tipo racista após a visita de Sigmar Gabriel.