EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Erdogan critica insensibilidade europeia em relação aos refugiados

Erdogan critica insensibilidade europeia em relação aos refugiados
Direitos de autor 
De  Euronews com REUTERS, EBU, LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

"O que se está a afundar no Mediterrâneo é a nossa humanidade", afirmou o presidente da Turquia.

PUBLICIDADE

“Os países europeus que transformaram o Mar Mediterrâneo -berço de uma das mais antigas civilizações no mundo – numa sepultura, são parte do pecado que é a morte de cada refugiado. Foram duras as palavras do presidente turco em relação à forma como a Europa está a gerir a crise dos migrantes.

Desde Ancara, Recep Tayyip Erdogan abriu o livro das críticas: “Definitivamente, não considero que seja humana a forma como alguns países europeus classificam os refugiados e acolhem alguns deles em função das suas qualificações. Estão a ser avaliados um a um. Como podemos fazer isto? Não são produtos agrícolas. São seres humano. Devíamos recebê-los a todos sem distinções”.

“O que se está a afundar no Mediterrâneo é a nossa humanidade”, concluiu o chefe de Estado turco.

A ideia de “filtrar” os refugiados tem circulado nos corredores de Bruxelas.

Numa entrevista à euronews, o ministro do Interior da Alemanha, Thomas de Maizière, que tem a pasta dos refugiados, explicou a ideia:

“Na área de Izmir estão muitos milhares de pessoas, talvez centenas de milhar, que aguardam para seguir para a Europa. Mesmo aí, penso que talvez seja necessário recorrer a fundos europeus para construir um vasto campo de refugiados e decidir aí, in loco, quem pode vir para a Europa”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Migrantes: "O problema não é um problema europeu. É um problema da Alemanha", afirma PM da Hungria

Líderes dos rivais regionais Grécia e Turquia reúnem-se para estreitar relações

Responsáveis da discoteca que ardeu em Istambul detidos para interrogatório