Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Burkina Faso: repressões violentas contra os oponentes ao golpe de estado

Burkina Faso: repressões violentas contra os oponentes ao golpe de estado
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No Burkina Faso, os oponentes ao golpe de Estado queixam-se de repressões violentas por parte do exército.

A Comunidade internacional condenou o golpe de estado, exigindo a libertação imediata do Presidente interino e do primeiro-ministro, feitos reféns por militares em Ouagadougou.

O secretário geral da ONU, Ban Ki moon, pediu contenção aos militares revoltosos.

O general Gilbert Diendéré foi proclamado presidente pelos golpistas, que anunciaram na televisão pública a demissão do presidente e a dissolução do governo de transição.

Um porta-voz dos revoltosos anunciou a instauração do recolher obrigatório em todo o território nacional, e o encerramento das fronteiras terrestres e aéreas do Burkina Faso.

Entretanto, os confrontos alastram no país. Na povoação natal do general Diendéré, antigo chefe do Estado-maior, populares incendiram-lhe a casa.

O balanço de vítimas não é claro. Testemunhas no hospital de Ouagadougou referem pelo menos seis mortos e sessenta feridos.

Michel Kafando, o primeiro-ministro Isaac Zida, e pelo menos dois ministros foram, na quarta-feira, detidos por elementos do Regimento de Segurança Presidencial, favoráveis ao ex-Presidente Blaise Compaoré, derrubado em outubro de 2014 após 27 anos no poder.