EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Intifada ameaça voltar à Cisjordânia

Intifada ameaça voltar à Cisjordânia
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com Mohammed Shaikhibrahim, Haaretz
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A nova onda de confrontos entre israelitas e palestinianos assume os contornos de uma terceira intifada.

PUBLICIDADE

Intifada, a palavra árabe para “revolta”, ficou colada a imagens como as que vemos agora. Também chamada “guerra das pedras”, foram duas ondas de contestação dos palestinianos contra Israel.

Esta nova onda pode comparar-se a uma terceira Intifada: Em vários pontos da Cisjordânia registaram-se confrontos. Um palestiniano morreu em Hebron. Junto ao checkpoint de Hewara, perto de Nablus, as pedras dos palestinianos choveram também sobre os soldados de Israel: “Hoje é um dia de raiva, estamos aqui para vingar o nosso povo e os nossos mártires, para nos vingarmos da ocupação. Todos nós, homens e mulheres, estamos aqui na linha da frente para lutar”, diz uma mulher que participou nas manifestações. Outro palestiniano acrescenta: “A nossa mensagem para o ocupante israelita é que vamos continuar a lutar até à última gota de sangue, até que eles se vão embora. Vamos fazer tudo para isso”.

Estes novos confrontos acontecem apesar da recente assinatura de um acordo entre responsáveis israelitas e palestinianos e dos apelos à calma de Mahmud Abbas, presidente da Autoridade Palestiniana.

“Ainda é difícil dizer se esta é uma terceira intifada ou apenas uma onda de violência e uma escalada de confrontos entre israelitas e palestinianos. Aqui no terreno, o caminho para um acalmar das tensões parece ainda longo”, conclui Mohammed Shaikhibrahim, enviado especial da euronews a Nablus, na Cisjordânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tropas israelitas anunciam que operação de dois dias na Cisjordânia ocupada foi “concluída”

Israel diz ter matado três membros do Hamas num hospital na Cisjordânia

Ativista Ahed Tamimi um símbolo da causa palestiniana foi detida por Israel