A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Vamos mesmo deixar de pagar roaming na UE?

Vamos mesmo deixar de pagar roaming na UE?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Pergunta de Jane, de Dublin:

“A União Europeia decidiu terminar com os custos do roaming. Isso quer dizer que vou passar a pagar o mesmo valor se fizer uma chamada de telemóvel no meu país ou noutro país da União Europeia? As operadoras não serão tentadas a subir os preços a nível nacional?”

Resposta de Guillermo Beltrà, responsável daOrganização Europeia de Consumidores :

“Em teoria, o fim dos custos do roaming significa efetivamente que é possível utilizar o seu telemóvel noutro país da União Europeia pagando o mesmo valor do que no seu próprio país. No entanto, de acordo com as normas europeias, as operadoras podem limitar o uso gratuito de roaming. Podem, por exemplo, condicionar esse uso a apenas algumas semanas ou alguns meses por ano; ou então permitir uma determinada percentagem mensal a utilizar durante as viagens.

O compromisso assumido é que o novo plano de roaming entre em vigor a 15 de junho de 2017. Mas há critérios que têm de ser cumpridos até essa data. O mais importante é a conclusão da reforma europeia da comunicação entre os fornecedores de serviços. É uma missão gigantesca. Preocupa-nos a possibilidade de que a data para o fim dos custos tenha de ser adiada.

Até lá, os preços do roaming vão começar realmente a descer a partir do dia 30 de abril de 2016. Vamos poder fazer chamadas no estrangeiro a cinco cêntimos por minuto, enviar SMS por dois cêntimos e a pagar cinco cêntimos por cada megabyte utilizado.

A lei europeia prevê algumas medidas para evitar a subida dos valores a nível nacional. As operadoras terão, por exemplo, um limite de preços que poderão cobrar.

A Organização Europeia de Consumidores considera que as novas regras constituem um passo no bom caminho rumo a uma Europa verdadeiramente sem fronteiras. No entanto, estamos descontentes com o facto de haver demasiadas condições a cumprir e limites.”

- Se quiser deixar uma questão no Utalk, clique na ligação mais abaixo