EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ataques de Paris: Federica Mogherini quer união, John Kerry fala em fascismo medieval e moderno

Ataques de Paris: Federica Mogherini quer união, John Kerry fala em fascismo medieval e moderno
Direitos de autor 
De  Bruno Sousa
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na cimeira do G20, em Viena, o conflito na Síria foi naturalmente relegado para segundo plano pelos ataques de Paris. A ameaça terrorista dominou as

PUBLICIDADE

Na cimeira do G20, em Viena, o conflito na Síria foi naturalmente relegado para segundo plano pelos ataques de Paris. A ameaça terrorista dominou as conversas e para a Alta Representante da UE para Política Externa e Segurança, Federica Mogherini, a resposta tem de ser dada a uma voz:

“A mensagem que sai desta reunião é ainda mais forte que há duas semanas e passa pela necessidade de união na comunidade internacional. Todos os países aqui presentes, toda a comunidade internacional, somos todos igualmente afetados pela ameaça do terrorismo, a única forma possível de dar uma resposta é se estivermos unidos.”

Pelo menos no discurso, parece haver união. O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, e o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov afinaram pelo mesmo diapasão.

De acordo com o norte-americano, “estamos perante uma situação de fascismo ao mesmo tempo medieval e moderno, sem qualquer respeito pela vida e que apenas pretende destruir e semear caos, desordem e medo. E uma coisa que podemos dizer a essas pessoas é que as suas ações apenas reforçam a nossa vontade de os combater e fazer os responsáveis responder perante a lei. É exatamente o que estamos aqui para fazer.”

Já o russo referiu que “temos de deixar clara uma posição forte, não há tolerância para terroristas. Não há justificação para ataques terroristas, é esta a posição do conselho de segurança da ONU. Tal como John Kerry disse, não há justificação para não fazermos tudo o que estiver ao nosso alcance para derrotar o grupo Estado Islâmico, a frente al Nusra e organizações similares.”

Enquanto os dirigentes se reuniam para tentar uma solução rápida para um problema demasiado complexo, nas ruas de Viena um grupo de cidadãos fazia ouvir a sua voz pela paz.

Os manifestantes protestavam contra a falta de uma solução para a situação que se vive na Síria, mostrando total solidariedade para com o povo francês.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Houthis do Iémen fazem ataque mortífero com drone em Telavive

Houthis atacam navio no Mar Vermelho com drone

França aperta medidas de segurança antes da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos