EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

França unida contra o terror

França unida contra o terror
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Imagens do Petit Cambodge, um restaurante, situado na Rue Alibert, em Paris, tocado pela tragédia que aconteceu na noite de sexta para sábado, na

PUBLICIDADE

Imagens do Petit Cambodge, um restaurante, situado na Rue Alibert, em Paris, tocado pela tragédia que aconteceu na noite de sexta para sábado, na capital francesa. Catorze pessoas morreram nesta rua.

Tirs à la Kalash au petit Cambodge dans le 10 ème à #Paris plusieurs morts. Secours et police sur place #tirpic.twitter.com/BBKaYocMz7

— Vincent Berthézène (@Vince66240) 13 novembro 2015

As manifestações de pesar multiplicam-se:

“Eu sou muçulmano e não tenho nada a ver com estas pessoas. Não são muçulmanos, isso é certo e seguro a 100%. São pessoas que pensam de outra forma”, diz um residente de Paris.

“Viremos com amigos, vamos reunir-nos e vamos também ao Bataclan”, adianta uma parisiense.

Pergunta: “Foi importante para si estar aqui esta manhã?”

“18 pessoas mortas? Sim. Eu espero que façamos uma grande manifestação como com o ‘Charlie’, espero… Vamos ter de mostrar que somos fortes e também porque a comunicação é importante”, desabafa a mesma mulher.

Em meio ao caos, criaram uma hashtag que me comoveu: #portesouvertes (portas abertas), para ajudar as pessoas que estão perdidas, sem terem para onde ir. Isso me emocionou. Esse tipo de atitude, que me faz crer que se temos 1% de pessoas boas na humanidade, é porque a humanidade ainda tem jeito. Aos trancos e barrancos, chegaremos lá. Chega de terrorismo. Chega de bandidagem. Chega de maldade. Chega de corrupção. ☮ #prayforParis #jesuisparis #noterrorism #Paris #França #France

Uma foto publicada por Rafa Icó (@rafaico) a Nov 13, 2015 às 4:56 PST

Uma vez mais a tragédia une os franceses. E, apesar do medo que alguns demonstram baixar os braços não é a solução.

Place Rabin, #ParisAttacks#telaviv#solidaritépic.twitter.com/IAUjoWVxzY

— rachelsamoul (@rachelsamoul) 14 novembro 2015

“Os parisienses e os franceses, em geral, unem-se depois dos ataques que atingiram Paris. Cada um, à sua maneira, solidariza-se. Alguns depositam flores, outros querem, simplesmente, estar com a multidão, outros dão sangue, aqui por exemplo, em Saint Louis, onde, por vezes, alguns esperam mais de uma hora para darem sangue”, adianta o jornalista da euronews Grégoire Lory.

Une manifestante brandit une affiche #jenaipaspeur à #Lille via VDNLille</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/paris13nov?src=hash">#paris13nov</a> <a href="https://t.co/bq4qeyQd4b">pic.twitter.com/bq4qeyQd4b</a></p>&mdash; LesNews (LesNews) 14 novembro 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron pede que antissemitismo seja discutido nas escolas após violação de uma jovem judia

Líder da extrema-direita opõe-se ao envio de tropas francesas para a Ucrânia

França aperta medidas de segurança antes da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos