A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Outubro bate recorde de mês mais quente alguma vez registado

Outubro bate recorde de mês mais quente alguma vez registado
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O mês de outubro foi o mais quente desde que o homem começou a registar temperaturas de forma continuada em 1880.

A informação foi divulgada pela Agência Nacional de Oceanos e Atmosfera dos Estados Unidos (NOAA), indicando que os dez primeiros meses foram os mais quentes na superfície terrestre e marítima.

Os peritos não têm dúvidas quando às alterações climáticas. “Temos muitas evidências de que o clima está a mudar. As temperaturas sobem, há degelo, os oceanos aquecem, o nível do mar sobe e estas observações não são um equívoco. E o futuro depende daquilo que os homens vão decidir fazer nos próximos anos e penso que a cimeira do clima de Paris, a COP21, vai ser um evento absolutamente crucial”, refere Anny Cazenave, cientista da Legos-Cnes (Laboratório de Estudos em Geofisica e Oceonagrafia espaciais).

A Greenpeace receia o ceticismo de certas nações como a China e a Rússia e alerta para o aumento de emissões de gases que provocam o efeito estufa.

No caso, russo, o alerta está ligado às grandes empresas de energia. “O principal problema está ligado à inércia e aos lobbies que vemos na tradicional industria energética. Naturalmente, eles não partilham os fluxos financeiros, pretendem manter o ‘status quo’. E claro, nem as energias renováveis nem a tecnologia de poupança de energia têm qualquer chance a curto prazo”, afirma Vladimir Chuprov, da Greenpeace Rússia.

A cimeira do clima das Nações Unidas, COP21, vai decorrer entre 30 de novembro e 11 de dezembro em Paris e vai reunir líderes políticos de todo o mundo.