This content is not available in your region

Renault minimiza danos na bolsa mas arrasta Estado francês nas perdas

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
Renault minimiza danos na bolsa mas arrasta Estado francês nas perdas

A Renault reagiu a meio do dia à notícia de buscas nas sua instalações, na sequência de uma investigação antifraude do ministério da Economia francês, e conseguiu, dessa forma, minimizar as perdas que estava a a sofrer na bolsa de Paris. O fabricante de automóveis francês, líder de vendas em Portugal, confirmou as buscas da semana passada e revelou não terem sido encontrados sinais da existência de dispositivos ilegais nos motores dos respetivos veículos, àm imagem do que havia acontecido em setembro com a Volkswagen nos Estados Unidos.

A notícia que atingiu a empresa como “um murro no estômago” foi divulgada por uma fonte da comissão-geral de trabalhadores da própria Renault. O alvo da investigação foram fábricas de motores da marca francesa o que sugere, segundo os sindicatos, que as buscas “estão ligadas às consequências do escândalo da Volkswagen”.

A meio do dia, a Renault emitiu então o comunicado, no qual a empresa manifestou também total cooperação com a investigação promovida pela Direção Geral da Concorrência, Consumo e Repressão de Fraudes (DGCCRF), o departamento antifraude do ministério da Economia francês.

A Renault não evitou, ainda assim, uma derrapagem de -10,28 por cento, com os respetivos títulos a valerem 77,75 euros, no fecho da bolsa de Paris. Isto, depois de pela manhã as ações da Renault terem chegado a cair cerca 23 por cento, atingindo mínimos de 1999 e levando a companhia, de acordo com a Reuters, a perder quase 6 mil milhões de euros em valor de mercado.

O Estado francês detêm quase 20 por cento do capital da Renault e pouco mais de 14 por cento da Peugeot e o jornal Le Figaro calculou um prejuízo de 637 milhões de euros nos cofres virtuais estatais. Os -10,28 por cento com que fcechou a Renault terão custado cerca de 2,8 mil milhões de euros no valor de mercado e, por arrasto, 551 milhões virtuais nos cofres do Estado. A Peugeot fechou a sessão desta quinta-feira a cair 5,05 por cento e isso terá custado ao Estado mais 86 milhões de euros.