EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Síria: Perigo à espreita para centenas de milhares de civis em Alepo

Síria: Perigo à espreita para centenas de milhares de civis em Alepo
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A morte e a fome podem entrar em força em Alepo na Síria se a ofensiva governamental, apoiada pela Rússia e o Hezbollah cercar os rebeldes naquela

PUBLICIDADE

A morte e a fome podem entrar em força em Alepo na Síria se a ofensiva governamental, apoiada pela Rússia e o Hezbollah cercar os rebeldes naquela que já foi a maior cidade do país.

Pelo menos 300 mil civis ficarão privados de comida e de ajuda humanitária caso o cenário se concretize e não haja linhas de abastecimento humanitário – O alerta é feito pelas Nações Unidas.

Ainda de acordo com o Gabinete de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU, o afluxo de refugiados será também engrossado em cerca de 100 a 150 mil pessoas.

Num momento de viragem da guerra, a favor de Bashar al-Assad, John Kerry fez um apelo à Rússia.

“As atividades da Rússia em Alepo e na região, neste momento, estão a tornar muito mais difícil o regresso à mesa das negociações de paz, para que existam conversações sérias. Já pedimos e voltamos a pedir à Rússia para se unir nos esforços para conseguirmos um cessar-fogo imediato e permitir acesso humanitário total”, declarou o secretário de Estado norte-americano.

Mesmo sem cessar-fogo, o ministro dos Negócios Estrangeiros Russo, Serguei Lavrov anunciou que Moscovo apresentou um plano de paz concreto a Washington e que aguarda por agora uma resposta.

Isto num dia em que um atentado com uma viatura armadilhada em Damasco, reinvidicado pelo grupo Estado Islâmico, provocou pelo menos oito mortos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

70 mil refugiados sírios às portas da Turquia

Marc Pierini: "UE comprometeu-se numa diplomacia mercantil com a Turquia"

Síria: Merkel "horrorizada" com bombardeamentos russos