Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Migrações: Tusk percorre rota dos Balcãs para preservar Schengen

Migrações: Tusk percorre rota dos Balcãs para preservar Schengen
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Na contagem decrescente para a cimeira União Europeia-Turquia da próxima semana foi na Áustria, país que retomou o controlo das fronteiras para fazer frente ao fluxo migratório, que o presidente do Conselho Europeu iniciou, esta terça-feira, um périplo à procura de um consenso em relação à crise que asfixia o velho continente.

Em Viena, Donald Tusk defendeu a aplicação das regras de livre circulação como forma de preservar o Espaço Schengen e apelou a que se apoie a Grécia para evitar um “desastre humanitário”: “Precisamos de enfrentar juntos as consequências humanitárias da nossa decisão. A Grécia é o país que devemos apoiar em particular. O número de migrantes que chegam à Grécia está a aumentar, não porque queiram viver no país, mas porque esperam partir dali rumo a outras nações europeias.”

Na conferência de imprensa do final do encontro, o chanceler austríaco, Werner Faymann, referiu que se não se clarificar a situação nas fronteiras externas da União Europeia, países como a Áustria terão de atuar nas próprias fronteiras: “A Áustria não é uma sala de espera para a Alemanha. Sempre dissemos ser contra a política do deixa passar. Porque Schengen é importante para nós, porque a cooperação europeia é importante para nós. É importante criarem-se condições claras nas fronteiras externas da União Europeia.”

Da Áustria, Donald Tusk prossegue a viagem pela chamada rota dos Balcãs com paragens na Eslovénia, Croácia, Macedónia e Grécia. Também estará na Turquia na quinta-feira, dia em que tem encontro marcado com o primeiro-ministro Ahmet Davutoğlu. Na sexta-feira reúne-se com o presidente Recep Tayyip Erdoğan em Istambul.

Entretanto, a situação na Grécia assume contornos cada vez mais preocupantes com milhares de pessoas bloqueadas na fronteira com a Macedónia. A polícia da Macedónia usou gás lacrimogéneo para dispersar a multidão que tentou destruir uma vedação que separa os dois países.