EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Crimeia: Dois anos depois do referendo e da anexação russa

Crimeia: Dois anos depois do referendo e da anexação russa
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No segundo aniversário do referendo sobre o estatuto político da Crimeia, que decorreu em março de 2014, algumas pessoas reuniram-se no centro da

PUBLICIDADE

No segundo aniversário do referendo sobre o estatuto político da Crimeia, que decorreu em março de 2014, algumas pessoas reuniram-se no centro da capital ucraniana, Kiev. Uma manifestação silenciosa para relembrar ReshAt Ametov, um tátaro da Crimeia, a primeira vítima da ocupação da região. Há dois anos, em Simferopol, depois de participar numa manifestação pacífica, foi encontrado morto.

Um dia depois do referendo, 18 de março, o Presidente russo assinava o tratado de integração da península ucraniana na Rússia. Situação não aceite pela maioria da comunidade internacional e que levou à imposição de sanções pela União Europeia e EUA.

Jamala é a controversa representante da Ucrânia no próximo Festival Eurovisão da Canção. Com o tema “1944”, ela relembra a deportação de 250.000 tártaros da Crimeia por Estaline, durante a Segunda Guerra Mundial:

“O meu objetivo é levantar esta questão, contar a história da minha família, contar a história dos tártaros da Crimeia e evitar que coisas como esta aconteçam, novamente, no futuro. Quero ensinar a história às pessoas”, adianta Jamala.

1944 a canção que Jamala vai interpretar, em maio, no Festival Eurovisão da Canção, em Estocolmo, na Suécia

Desde a anexação da Crimeia e de Sevastopol, e segundo organizações não-governamentais, 45 mil pessoas abandonaram a região, metade tártaros:

“O regresso da Crimeia à Ucrânia passou para segundo plano. E isso não resolve o problema dos milhares de deslocados da península, a maioria dos quais está desempregado e forçado a viver com uma pequena ajuda financeira do Estado”, explica Nadiya Dermanska, correspondente da euronews na Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Paris impõe estado de emergência na Nova Caledónia. Habitantes temem pela escassez de alimentos

Avanço das tropas russas: cidadãos fogem de Ocheretyne. Moscovo abate mísseis ATACMS

Forças ucranianas dizem ter atingido navio russo Kommouna na Crimeia