Última hora

China rejeita relatório norte-americano sobre censura da internet

China rejeita relatório norte-americano sobre censura da internet
Tamanho do texto Aa Aa

A China não pretende mudar a sua política de internet nem de investimento estrangeiro no país. É a resposta de Pequim ao relatório dos Estados Unidos que estima que o controlo chinês da internet prejudica as empresas norte-americanas.

O porta-voz do Ministério chinês dos Negócios Estrangeiros garante que as políticas não vão mudar e estima que tem de ser respeitada a política chinesa de gestão da internet.

No relatório, publicado na semana passada, Washington defende que a censura da internet na China é uma barreira comercial e tem vindo a aumentar, desde a chegada ao poder de Xi Jinping, em 2013.

Segundo o documento, cerca de um quarto de todas as páginas internet estão bloqueadas. Em 2013 eram 14%.

Os serviços do Google, Facebook ou Twitter, assim como certas buscas “online” não estão acessíveis aos chineses. O documento coloca assim o assunto na pasta dos assuntos comerciais e não apenas na dos direitos humanos e segurança.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.