EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Rússia presta homenagem a espiões cubanos

Rússia presta homenagem a espiões cubanos
Direitos de autor 
De  Miguel Roque Dias com Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Rússia prestou homenagem a cinco espiões cubanos que estiveram, cerca de 20 anos, presos nos Estados Unidos da América. O Kremlin considerou-os

PUBLICIDADE

A Rússia prestou homenagem a cinco espiões cubanos que estiveram, cerca de 20 anos, presos nos Estados Unidos da América.

O Kremlin considerou-os heróis de “fortaleza e resistência”.

O ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, realçou que a Rússia sempre lutou para que fossem libertados.

“A Rússia, desde o primeiro dia, mostrou-se solidária com a campanha internacional que apoiou a vossa libertação e o regresso à vossa pátria. Mantivemos uma pressão constante, incluindo nos nossos contactos com os norte-americanos. Sentimo-nos satisfeitos que, a longo prazo, o nosso envolvimento na vossa libertação tenha acabado por ser útil e produzido resultados”, disse o ministro.

Os “cinco cubanos” foram condenados, pelos norte-americanos, por espionarem a comunidade de exilados cubanos, residentes na Florida.

Quando foram libertados, em dezembro de 2014, o presidente cubano, Raul Castro, prestou-lhes homenagem e apelidou-os de “Heróis da República”.

A libertação dos espiões cubanos faz parte do estreitar das relações entre os dois países, promovido pelo presidente norte-americano, Barack Obama.

Em troca, o governo de Havana libertou Alan Gross, um trabalhador de uma organização humanitária, detido há cinco anos por levar, para Cuba, equipamentos de telecomunicações ilegais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tribunal russo condena soldado americano a quase quatro anos de prisão por roubo

Jornalista norte-americano Evan Gershkovich vai ser julgado na Rússia por espionagem

Putin ameaça a Alemanha: Rússia pode fornecer armas para atingir alvos ocidentais