EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Rússia reage à vitória ucraniana no Festival da Eurovisão

Rússia reage à vitória ucraniana no Festival da Eurovisão
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Várias personalidades russas reagiram mal à vitória ucraniana no Festival da Eurovisão, alguns senadores apelaram mesmo ao boicote em 2017, depois da

PUBLICIDADE

Várias personalidades russas reagiram mal à vitória ucraniana no Festival da Eurovisão, alguns senadores apelaram mesmo ao boicote em 2017, depois da vitória da canção de Jamala com um teor político que evoca deportações ordenadas pelo ditador Estaline.

Entre os moscovitas também há percepção da influência da política no concurso.

“Claro que eu apoiei a nossa canção. Sabe, a política irrompeu na música. A política manipula a nossa música e isso é muito triste”, diz uma mulher.

“É tudo tão óbvio, toda a Europa apoia a Ucrânia. Foi muito nítido. Na minha opinão foi demasiado transparente, demasiado óbvio, e toda a gente percebe que o verdadeiro vencedor foi o nosso cantor Sergey Lazarev”, explica outra.

Para o presidente do comité dos Negócios Estrangeiros do Senado russo, Konstantin Kossatchev, “foi a geopolítica que ganhou”, e, segundo o senador, esta vitória na Eurovisão arrisca dar asas aos dirigentes ucranianos, comprometendo o difícil processo de paz no este da Ucrânia.

“Por esse motivo, quem perdeu foi a Ucrânia”, escreveu Kossatchev na sua página na rede social Facebook, citada pela AFP, tendo o senador acrescentado que “aquilo que a Ucrânia precisa, de forma vital, é de paz”.

“Mas foi a guerra que ganhou”, acrescentou.

“Queria cantar uma canção sobre paz e amor”, declarou a cantora, de 32 anos, ao receber o prémio, no sábado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia vence Eurovisão com canção de teor político... e Rússia reage mal

Putin ameaça a Alemanha: Rússia pode fornecer armas para atingir alvos ocidentais

Putin substitui Shoigu porque quer Ministério da Defesa "aberto à inovação"