EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Obama faz visita histórica a Hiroxima

Obama faz visita histórica a Hiroxima
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Foi a primeira visita de um presidente americano em exercício.

PUBLICIDADE

Barack Obama guardou para o fim do mandato aquele que é um dos atos mais simbólicos e mais históricos da presidência. Pela primeira vez, um presidente norte-americano em exercício visitou Hiroxima, a cidade japonesa martirizada pela bomba atómica no dia 6 de agosto de 1945.

Este foi o ato de guerra mais mortífero alguma vez lançado pelos Estados Unidos. As bombas de Hiroxima e Nagasáqui obrigaram à rendição do Japão e puseram fim à Segunda Guerra Mundial.

“Estamos aqui, nesta cidade, e obrigamo-nos a imaginar o momento em que a bomba caiu. Obrigamo-nos a sentir o terror sentido pelas crianças cofusas pelo que estavam a ver. Ouvimos o grito silencioso. Aqueles que morreram eram pessoas como nós. Qualquer pessoa compreende isso. As pessoas não querem mais guerra. Preferem que as maravilhas da ciência sirvam para melhorar a vida e não para a eliminar. Quando uma escolha feita pelos líderes, pelas nações, refletir esta sabedoria simples, então a lição de Hiroxima estará cumprida”, disse Obama no discurso.

Veja aqui o discurso completo

“We are not bound … to repeat the mistakes of the past. We can learn. We can choose.” —POTUS</a> speaks at Hiroshima. <a href="https://t.co/qLPoNEqlF9">https://t.co/qLPoNEqlF9</a></p>&mdash; The White House (WhiteHouse) May 27, 2016

Nesta deslocação à cidade mártir, Obama depositou uma coroa de flores junto ao memorial e encontrou-se com sobreviventes. Para alguns, é uma visita que chegou demasiado tarde.

Foi um ato histórico e simbólico de um presidente que marcou os Estados Unidos e o mundo, a meses de deixar a Casa Branca e numa altura em que muitos temem que o próximo inquilino seja um certo Donald Trump.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Protestos contra Obama em Hiroxima

Nagasaki assinala 78.º aniversário do bombardeamento atómico

Berlusconi e a Europa: um ano após o desaparecimento de um líder que mudou a UE