Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Grupo de rock marroquino Hoba Hoba Spirit põe várias gerações a dançar

Grupo de rock marroquino Hoba Hoba Spirit põe várias gerações a dançar
Tamanho do texto Aa Aa

A cidade marroquina de Essaoiura organiza todos os anos o Festival de Música Gnaoua. O grupo de rock Hoba Hoba Spirit foi um dos destaques da edição 2016.

Em Marrocos, os Hoba Hoba têm muito sucesso. O grupo canta para os pobres e para todas as categorias sociais, de um modo acessível.

A banda tornou-se célebre graças a canções que retratam a vida e os problemas dos jovens marroquinos de hoje. Musicalmente, o grupo inspira-se nas sonoridades do folclore marroquino e propõe uma fusão entre os ritmos do rock e a música Gnaoua.

“Não vamos abdicar da arma poderosa que é a riqueza musical marroquina. Seria como estar num combate, ter um canhão de água e não o usar. Neste caso, o canhão são os ritmos marroquinos. Quando disparamos, toda a gente começa a dançar. Nós próprios, gostamos de tocar esta música porque queremos dançar. É o nosso conceito de base. Não é por sermos marroquinos e querermos respeitar o estilo marroquino. Não. É porque gostamos desta música”, contou o músico Réda Allali.

O músico marroquino Mehdi Nassouli afirma que os Hoba Hoba são uma grande fonte de inspiração artística para as novas gerações.

“Em Marrocos, os Hoba Hoba têm muito sucesso. O grupo canta para os pobres e para todas as categorias sociais, de um modo acessível. Toda a gente adora os Hoba Hoba. Crescemos a ouvir as canções deles”, afirmou Mehdi Nassouli.

Todos os anos, o Festival de Essaoiura promove a fusão entre a música Gnaoua, uma das grandes tradições do folclore marroquino, e os vários géneros musicais.

A tradição Gnaoua de cariz espiritual está associada aos descendentes dos escravos de origem subsariana que trabalhavam para os antigos exércitos árabes de Marrocos e da Argélia.