A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Austrália elege novo Governo em jogada de risco dos Liberais

Austrália elege novo Governo em jogada de risco dos Liberais
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Austrália escolhe este sábado um novo Governo. Após uma longa campanha de cerca de oito semanas, o dia chegou e milhões de eleitores fazem fila à boca das urnas num país onde votar é uma obrigação. Em jogo, estão 150 assentos na Câmara Baixa do Parlamento e 76 no Senado.

O ainda primeiro-ministro e líder dos Liberais, Malcolm Turnbull é responsável pela antecipação deste sufrágio depois de a 9 de maio ter dissolvido as duas câmaras do Parlamento e o governo ter entrado em serviços mínimos até novas eleições. Tudo precipitado pelo chumbo do Senado à proposta de lei do governo de coligação Liberal/ Nacional liderado por Turnbull em implementar uma comissão reguladora para o setor da construção.

O objetivo de Turnbull ao antecipar as eleições era recandidatar-se e reforçar o poder Liberal no Senado, órgão do qual o governo depende para aprovar novas leis. Se conseguir a maioria em ambas as câmaras, o partido no poder nem precisa de debater com a oposição as propostas de lei para as aprovar. Mas a estratégia Liberal pode sair furada.

Uma das grandes incógnitas destas eleições serão os independentes que vão conseguir ser eleitos para o senado. Nas sondagens, há dezenas de candidatos independentes ou de partidos mais pequenos que surgem com boas perspetivas de ser eleitos e têm sido estes a desequilibrar os poderes no Senado.

O rival de Turnbull no boletim de voto para a liderança do governo é o Trabalhista Bill Shorten. Nas sondagens, o equilíbrio entre os dois principais partidos é nota dominante, mas em algumas havia uma ligeira vantagem para a coligação Liberal Nacional. Também na Austrália, os partidos de extrema-direita ameaçam ganhar exposição. O “Uma Nação”, de Pauline Hanson surge, inclusive, em boa posição de conseguir um lugar no Senado.