EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Turquia: milhões esperados em protesto contra golpe de estado falhado

Turquia: milhões esperados em protesto contra golpe de estado falhado
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Turquia monta um massivo protesto contra o golpe de estado falhado de 15 de julho.

PUBLICIDADE

A Turquia monta um massivo protesto contra o golpe de estado falhado de 15 de julho. Ou seja, uma massiva manifestação de apoio ao presidente Erdogan.

Millions to attend democracy rally in Istanbul https://t.co/8zMo46K30Rpic.twitter.com/Lpgtlkbx5i

— Turkish Press Office (@trpressoffice) 7 août 2016

A manifestação será na Praça Yenakapi em Istambul, numa iniciativa inédita que vai juntar os líderes do Partido de Justiça e Desenvolvimento, ou AKP, no governo, o Partido do Povo Republicano (CHP), da oposição, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP) e figuras de todas as esferas da política turca.

Another Martyr of Democracy. Mete Sertbaş https://t.co/x1OuVY3IzR

— Turkish Press Office (@trpressoffice) 18 juillet 2016

“Democracia e Mártires”, é o nome do evento.
Mais de dez mil pessoas envolvidas numa organização pensada ao milímetro e que juntará o Presidente Recep Tayyip Erdoğan, o primeiro ministro Binali Yildirim, o líder do CHP, Kemal Kılıçdaroğlu e do MHP, Devlet Bahçeli.

Palco, ecrãs gigantes e sistemas de som, mais de 700 médicos e paramédicos, transportes gratuitos. Para quem chega à Praça Yenakapi do lado este de Istambul, há 250 barcos disponíveis e gratuitos para assegurar o destino. Bandeiras turcas estarão a ser oferecidas a quem queira.
Haverá réplicas do grande evento em todo o país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia de Hong Kong realiza diversas operações no aniversário de Tiananmen

Protestos pelos reféns em Telavive degeneram em confrontos com a polícia

Turistas retidos na Nova Caledónia começam a ser evacuados. Independentistas apelam aos protestos