EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Extremista do Mali julgado por destruição de património cultural no Tribunal Penal Internacional

Extremista do Mali julgado por destruição de património cultural no Tribunal Penal Internacional
Direitos de autor 
De  Pedro Sacadura com Reuters, EFE
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Começou a ser julgado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI), com sede em Haia, o jihadista tuaregue do Mali Ahmad al-Faqi al-Mahdi.

PUBLICIDADE

Começou a ser julgado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI), com sede em Haia, o jihadista tuaregue do Mali Ahmad al-Faqi al-Mahdi. É o primeiro acusado de crimes de guerra por atentados contra o Património da Humanidade.

Depois da leitura da acusação, esta segunda-feira, al-Mahdi, um dos chefes do grupo Ansar Dine, considerou-se culpado por ter dirigido e participado, em julho de 2012, na destruição de vários bens considerados Património da Humanidade pela UNESCO na cidade de Tombuctu, no norte do Mali. Entre estes encontram-se pelo menos nove de 16 mausoléus de santos muçulmanos e a mesquita de Sidi Yahya, do século XV.

Milhares de manuscritos do Centro de Documentação Ahmed Baba, que, segundo o ministério maliano da Cultura albergaria entre 60 mil a 100 mil documentos históricos, foram também destruídos.

Reduzidos a escombros, os mausoléus de Tombuctu foram reconstruídos pela UNESCO e as obras terminaram em julho de 2015.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

África do Sul levanta ação por genocídio contra Israel. O que esperar do Tribunal de Haia?

Homem que afirma ser ex-oficial russo quer testemunhar sobre crimes de guerra na Ucrânia

Milhares exigem em Haia o fim dos milionários "subsídios poluentes"