Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mali: Jihadista acusado confessa crimes contra Património da Humanidade

Mali: Jihadista acusado confessa crimes contra Património da Humanidade
Tamanho do texto Aa Aa

O jihadista do Mali, Ahmad al-Mahdi, começou a ser julgado pelo Tribunal Penal Internacional. É o primeiro acusado de crimes de guerra por atentados contra o Património da Humanidade e confessou as culpas: “Senhoras e senhores, é com profundo pesar e grande dor que assumo as culpas: todas as acusações contra mim estão corretas. Lamento muito e estou verdadeiramente arrependido.”

Ahmad al-Mahdi: "Senhoras e senhores, é com profundo pesar e grande dor que assumo as culpas: todas as acusações contra mim estão corretas. Lamento muito e estou verdadeiramente arrependido."

A acusação alega que o réu faz parte do grupo jihadista Ansar Dine, um grupo ligado à Al Qaeda.
O Ansar Dine controlou o norte do Mali em 2012, durante quase 10 meses – antes da intervenção internacional liderada pela França.

Ahmad al-Mahdi foi responsável pela destruição de vários bens considerados Património da Humanidade pela UNESCO, em julho de 2012, na cidade de Tombuctu, no norte do Mali. Entre estes encontram-se pelo menos nove mausoléus de santos muçulmanos e a mesquita de Sidi Yahya, do século XV. Também foram destruídos entre 60 a 100 mil documentos históricos.

Os observadores, celebram a abertura de um processo por destruição do património, mas lamentam a ausência de acusações relativas aos crimes sexuais cometidos durante o conflito.
Ahmad al-Mahdi torna-se então no primeiro réu a confessar e a responder por crimes relacionados com a destruição de património cultural. Os especialistas esperam que este processo sirva de exemplo contra a destruição de bens culturais.

Reduzidos a escombros, os mausoléus de Tombuctu foram reconstruídos pela UNESCO e as obras terminaram em julho de 2015. Tombuctu venera uma série de santos, considerados como sendo protetores da cidade, algo que choca com a visão fundamentalista do Islão.