Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Itália: Um país em permanente risco sísmico

Itália: Um país em permanente risco sísmico
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Itália tem conhecido, através dos tempos, múltiplas catástrofes sísmicas, com danos materiais devastadores e, sobretudo, com inúmeras perdas humanas. A terra tem tremido por todo o território, de forma aleatória.

Em 2012 , um sismo de magnitude 6, na escala de richter, entre Modena e Ferrara, matou seis pessoas e provocou danos consideráveis no rico património da região. Nove dias mais tarde, uma nova série de abalos na região de Emiglia Romagna matou mais 19 pessoas e deixou 350 feridas. Cerca de 14 mil pessoas ficaram sem casa.

O mais vivo ainda na memória é o de 6 de abril de de 2009. Um abalo violento no centro de Itália, que fez mais de 300 mortos e obrigou milhares de pessoas a refugiarem-se noutras regiões. A capital da zona montanhosa de Abruzzo, l’ Aquila, foi a mais atingida. Este sismo, que provocou danos de milhares de milhões de euros, traumatizou o país.

Ainda no centro, em outubro de 2002, 30 pessoas perdem a vida e sessenta ficam feridas quando a terra tremeu na aldeia de San Giuliano di Puglia. 27 crianças e a professora foram mortos quando a escola se desmoronou sobre eles.

A 26 de setembro e 3 de outubro de 1997, dois sismos consecutivos abanam a Umbria e Marche, deixando um total de 12 mortos, 110 feridos e 38 mil pessoas sem casa. O abalo arrasa várias aldeias e devasta a basílica de São Francisco de Assis, matando quatro pessoas.

Em dezembro de 1990 foi a vez da Sícilia sentir a terra tremer. O abalo sentido entre a Catânia e Ragusa matou 17 pessoas e deixou 200 feridas. No mesmo ano, a 5 de maio um outro sismo tinha deixado quatro pessoas sem vida, próximo de Potenza.

O século XX foi um dos mais mortíferos. A terra tremeu violentamente na Campânia, a 23 de novembro de 1980, matando quase três mil pessoas e deixando 20 mil feridas, na região de Nápoles.

O maior de que há memória (7,5 na escala de Richter) ocorreu a 28 de dezembro de 1908, entre as cidades de Messina e Reggio Calabra. Matou cerca de 95 mil pessoas.

Depois, em 1915, um outro abalo gigante deixa 30 mil mortos na região de Abruzzo e Avezzano,na província de l’Aquila.

O risco de sismos é permanente, em Itália. O país está dividido em 174 zonas sísmicas, incluindo o mar. É o movimento de aproximação entre as placas tectónicas da Europa e da África que faz tremer a terra. Um risco comum a toda a bacia do Mediterrâneo.