Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Insulto à mãe de Obama leva presidente a cancelar reunião com homólogo filipino

Insulto à mãe de Obama leva presidente a cancelar reunião com homólogo filipino
Tamanho do texto Aa Aa

O novo presidente das Filipinas volta a não ter, “tento na língua”, quando se trata de ocultar as violações dos direitos humanos no país.

À sua chegada ao Laos, antes de reunir-se com Barack Obama, à margem de uma cimeira regional, Rodrigo Duterte não hesitou em responder às críticas de Washington com um insulto ao presidente norte-americano.

“Sou o presidente de um estado soberano e já há muito que deixámos de ser uma colónia. Não temos outro patrão para lá do povo Filipino. Têm que ser respeituosos e deixarem de atirarem perguntas e afirmações. Filho da mãe. Vou-te amaldiçoar nesta cimeira”, afirmou Duterte.

Palavras que levaram a Casa Branca a anular o encontro bilateral entre os dois chefes de Estado, segundo Washington, face à ausência da possibilidade de avanços sobre a polémica guerra do governo contra os cartéis de droga nas Filipinas.

“Historicamente, a nossa relação com as Filipinas é uma das mais importantes e a minha relação com o povo Filipino tem sido cordial e produtiva e espero que continue assim. Mas quero ter a certeza que este momento é o melhor para termos o melhor diálogo possível”, afirmou Obama, antes de decidir cancelar o encontro.

Eleito em Junho sob a promessa de, “matar mais de 100 mil pessoas”, para pôr fim aos cartéis de droga filipinos, Duterte é acusado de mais de 2.400 execuções extrajudiciais em apenas dois meses.

O presidente tinha respondido no mesmo tom insultante às críticas do Papa Francisco, do embaixador norte-americano em Manila e mesmo às denúncias, segundo ele “estúpidas”, das Nações Unidas.

No seu discurso de investidura, em Junho, Duterte tinha apelado à população, “a ajudar os pais dos toxicodependentes, com armas, para matar os filhos”.