Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Berlim: novo teste eleitoral para Merkel

Berlim: novo teste eleitoral para Merkel
Tamanho do texto Aa Aa

A chanceler alemã enfrenta, este domingo, um novo teste à sua popularidade: as eleições locais de Berlim.

Penso que o resultado das eleições no 'lander' de Meclemburgo-Pomerânia Ocidental vai mobilizar as pessoas que dizem 'não, não queremos isso na nossa cidade, não vamos tolerá-lo'

Michael Müller Presidente da autarquia de Berlim

Com a política de imigração na linha de mira, a CDU de Angela Merkel, há 15 anos batida em Berlim pelos social-democratas do SPD, não aspira a mais do que um segundo lugar.

A CDU está creditada com até 19% das intenções de voto, enquanto os parceiros de governo do SPD não recolhem mais do que 20% – o suficiente para se manterem à frente dos destinos da cidade.

A grande incógnita é qual o avanço – previsto pelos analistas – do partido de extrema-direita AfD. Diferentes institutos de sondagens preveem uma entrada no novo parlamento local na ordem dos 13% a 15%.

A Alternativa para a Alemanha ganha cada vez mais força localmente, como ainda há duas semanas em Meclemburgo-Pomerânia Ocidental, onde relegou a CDU de Merkel para terceiro lugar.

Michael Müller, atual edil, tem esperança de que, em Berlim, seja diferente: “Veremos. Lembro-me que as manifestações do Pegida receberam uma forte resistência em Berlim. Por isso, penso que o resultado das eleições no ‘lander’ de Meclemburgo-Pomerânia Ocidental vai mobilizar as pessoas que dizem ‘não, não queremos isso na nossa cidade, não vamos tolerá-lo’.”

Tweet que apela à participação eleitoral

Berlim tem uma imagem de capital multicultural e 53% dos berlinenses estima que os refugiados representam uma mais-valia para a cidade.

Em 2015, a capital alemã recebeu 79.000 migrantes – 52.000 continuam a viver em Berlim.

Cerca de 2,5 milhões de berlinenses são chamados às runas, para renovar o parlamento local que designará depois, o presidente da autarquia.