Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Putin exige respostas à Agência Mundial Antidoping

Putin exige respostas à Agência Mundial Antidoping
Tamanho do texto Aa Aa

O número de atletas que viram os seus dados pessoais expostos pelo ataque informático à base de dados da Agência Mundial Antidoping (WADA) continua a crescer e esta sexta-feira, mais onze desportistas viram o seu nome acrescentado à lista.

No centro da polémica está o elevado número de exceções para uso terapêutico solicitado pelos atletas de alta competição, mas para Richard McLaren, autor do polémico relatório que revelou a existência de um sistema estatal de apoio ao doping na Rússia, esse facto por si só não quer dizer nada:

“Divulgar a informação sem qualquer explicação é apenas difamação dos atletas. Se seguirem as regras, eles têm direito exceções para uso terapêutico, que lhes permitem recorrer a substâncias proibidas necessárias para tratar a sua condição médica.”

Entre os russos, que viram a sua participação Olímpica fortemente condicionada pelo relatório do canadiano, é o próprio chefe de estado, Vladimir Putin, a exigir respostas:

“Há muitas questões que se levantam. Atletas saudáveis que podem legalmente tomar medicamentos que são proibidos para outros, enquanto pessoas com problemas graves e óbvios são impedidas de participar nos Jogos Paralímpicos apenas porque existem suspeitas.”

A discussão está lançada. A avaliar pelos dados divulgados, o importante não parece ser manter os desportistas afastados do doping, mas sim assegurar-se que estes pedem autorização atempadamente.