Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Fundação Clinton financia projeto da EDP em aldeia de Moçambique

Fundação Clinton financia projeto da EDP em aldeia de Moçambique
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Fundação Clinton comprometeu-se esta segunda-feira, na reunião anual da Clinton Global Initiative, em Nova Iorque, a financiar o projeto da EDP de eletrificação da aldeia de Titimane, no norte de Moçambique.

“Sem acesso à rede elétrica do país, esta comunidade rural passará a ter uma rede autónoma abastecida por energia renovável gerada por painéis solares e central de biomassa alimentada pelo restolho do algodão cultivado pelos pequenos agricultores da região”, indicou a empresa de eletricidade portuguesa em comunicado.

De acordo com a EDP, “a infraestrutura será complementada com um programa de desenvolvimento destinado a acelerar o impacto do acesso à energia na melhoria da qualidade de vida dos 4.000 habitantes de Titimane”, uma “abordagem integrada e sustentável [que] mereceu o reconhecimento da Fundação liderada pelo ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton”.

O projeto da EDP, nascido de uma parceria com a Agência das Nações Unidas para o Ambiente (UNEP), conta ainda com outros parceiros locais — Grupo João Ferreira dos Santos, FUNAE e EDM —, “todos empenhados em promover o desenvolvimento das comunidades mais desfavorecidas criando condições para a eletrificação a partir de energias renováveis”, refere a nota de imprensa.

A EDP sublinha que “o Governo de Moçambique reconhece a importância, a inovação e a natureza social do projeto” e adianta que “os trabalhos de montagem das centrais e da rede deverão ter início até ao final do ano”, estando a conclusão prevista para 2017.

“No mundo, há ainda cerca de mil milhões de pessoas sem acesso à energia; em Moçambique, esta realidade afeta 70% da população; em Titimane, são as lanternas a pilhas e alguns geradores a diesel as únicas fontes energéticas disponíveis”, precisa o comunicado.

Em simultâneo com os trabalhos de montagem das centrais e da rede elétrica, “as Organizações Não-Governamentais para o Desenvolvimento (ONGD) OIKOS e Leigos para o Desenvolvimento, com o apoio da Cooperação Portuguesa gerida pelo Instituto Camões, avançam com um conjunto de iniciativas de melhoria das condições de saúde, educação, promoção do empreendedorismo, formação, sensibilização ambiental e de eficiência energética — um Programa de Desenvolvimento Rural Integrado que, ao acelerar os efeitos do acesso à energia na vida da comunidade, assegurará indiretamente a sustentabilidade da solução energética”, lê-se no texto.


“A infraestrutura será entregue a uma empresa a criar com os parceiros locais, futura concessionária do serviço de abastecimento elétrico” e a energia será cobrada aos consumidores, com base em diferentes tarifários, indica a EDP, acrescentando que se pretende “com este modelo de mercado assegurar condições de viabilidade para manter e aumentar a capacidade de abastecimento de forma fiável e sustentável”.

Para a EDP, o projeto consolida iniciativas já desenvolvidas em outros países, com destaque para a instalada em 2010 no campo de refugiados de Kakuma, no Quénia, explica a empresa, segundo a qual “Titimane servirá ainda para testar a viabilidade comercial deste modelo integrado de eletrificação de comunidades sem acesso previsível a redes elétricas nacionais, no curto/médio prazo”.

Texto: Lusa
Edição: Francisco Marques (euronews)