Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Referendo na República Srpska reacende tensões na Bósnia-Herzegovina

Referendo na República Srpska reacende tensões na Bósnia-Herzegovina
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Apesar de um veto do Tribunal Constitucional e das críticas das autoridades federais e do Ocidente, a República Sérvia da Bósnia (República Srpska) decidiu avançar com um referendo, este domingo, sobre a celebração do seu polémico “dia nacional”. As restantes comunidades da Bósnia-Herzegovina temem que a consulta seja o prelúdio para um referendo sobre a independência, algo que Milorad Dodik, o ultranacionalista presidente da entidade sérvia, nega:

“É impossível que alguém considere que se trata de um referendo de secessão. Não é um referendo de secessão. Não é sequer o início desse processo. Só aqui é que um referendo, enquanto meio de tomada de decisões, é problemático. No Reino Unido, por exemplo, é perfeitamente normal. Aqui, há uma espécie de histeria”.

União Europeia e Estados Unidos temem que o referendo volte a destabilizar a região. A Rússia apoia a República Sérvia da Bósnia e Dodik encontrou-se, esta semana, com Vladimir Putin, em Moscovo. Já a Sérvia quis assumir uma posição neutral, mas as afirmações do primeiro-ministro, Aleksandar Vucic, deixam pouca margem para dúvidas:

“A Sérvia apoia e apoiará sempre a República Srpska. É a nossa obrigação. É o nosso direito. Estamos orgulhosos disso”.

O Tribunal Constitucional da Bósnia-Herzegovina considerou que celebrar o “dia nacional” da República Srpska a 9 de janeiro seria discriminatório para as outras comunidades que vivem na entidade e ordenou que o referendo fosse anulado. O presidente da presidência tripartida da Bósnia, Bakir Izetbegovic, também não esconde a irritação com o referendo:

“Algumas pessoas neste país querem mais do que já têm. Já controlam parte do país e são soberanas, mas não vamos deixar que discriminem os outros. Deviam é obedecer à Constituição e às leis deste país e darem-se por satisfeitas. Receio que, se continuarem a pedir cada vez mais, as coisas podem sair fora de controlo”.

9 de janeiro é o dia de uma festa ortodoxa, mas também o dia, em 1992, em que os sérvios da Bósnia proclamaram a independência. Poucos meses depois, eclodia a guerra, que fez cerca de 100.000 mortos.