Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Colômbia: Governo e FARC "disparam" última bala de 50 anos de conflito

Colômbia: Governo e FARC "disparam" última bala de 50 anos de conflito
Tamanho do texto Aa Aa

A última bala de mais de cinquenta anos de conflito na Colômbia vai ser utilizada esta segunda-feira, em Cartagena, para assinar o acordo de paz entre a guerrilha das FARC e o governo.

Uma caneta fabricada a partir de uma bala vai ser utilizada pelo presidente colombiano e pelo chefe da guerrilha para oficializar o compromisso, que vai ter ainda que ser ratificado numa consulta popular este fim de semana.

Segundo o presidente colombiano, Juan Manuel Santos,

“Espero que juntos, e espero sinceramente que todos juntos, que todos os que defendem o voto no NÃO no referendo e os céticos… que possamos estar unidos após o referendo e que possamos criar um novo país todos juntos”.

A cerimónia de assinatura do acordo deverá iniciar-se às 17h00 locais (23h00 em Lisboa), frente a 2.500 convidados, entre os quais 15 presidentes e 27 chefes de governo.

O ato oficial deverá iniciar-se com um discurso do Secretário-Geral da ONU, seguido de “Tymochenko” o representante da guerrilha e, finalmente, do presidente Santos, durante 10 minutos cada.

Entre o público reunido no Centro de Convenções de Cartagena, encontrar-se-ão ainda 400 vítimas do conflito armado e 120 membros das FARC.

Vários países europeus já saudaram o acordo, quando a UE deverá retirar a guerrilha colombiana da sua lista de grupos terroristas.

Ao final de quatro anos de negociações em Havana, um guerrilheiro mostra-se confiante.

“A única coisa que vamos abandonar são as armas, mas vamos continuar a nossa luta política. Esta luta precisa de um partido e nós vamos criar esse partido”.

Uma esperança ainda pendente do voto dos colombianos, uma vez que o acordo seria cancelado, em caso de uma vitória do NÃO no referendo de domingo.