EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Crianças: a face escondida do problema com as armas de fogo nos EUA

Crianças: a face escondida do problema com as armas de fogo nos EUA
Direitos de autor 
De  Euronews com AP, USA TODAY, GUARDIAN, EVERYTOWN FOR GUN SAFETY
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

As estatísticas oficiais subestimam o número de mortes acidentais por arma de fogo envolvendo crianças.

PUBLICIDADE

É uma face escondida do problema da proliferação de armas nos Estados Unidos: as estatísticas oficiais subestimam o número de mortes acidentais por arma de fogo envolvendo crianças, segundo dados compilados ao longo dos últimos anos por diversas organizações.

Bryson Mees-Hernández tinha 4 anos quando durante uma noite em casa dos avós acabou por dar um tiro fatal na cabeça com uma pistola que encontrou debaixo da cama do casal.

Muitas vezes é uma criança a matar outra enquanto brincam: foi o caso de Cameron Price, de 4 anos, morto acidentalmente pelo irmão depois de terem encontrado uma arma num quarto de motel no Louisiana, em maio de 2015.

Segundo uma pesquisa da Associated Press (AP) e USA Today, no espaço de dois anos e meio, entre janeiro de 2014 e junho de 2016, houve 326 mortes por causa de disparos acidentais envolvendo crianças.

As estatísticas oficiais apresentam uma realidade menos dramática. Em 2014, o Centro para o Controlo de Doenças (CDC) recenseou apenas 74 mortes contra as 113 registadas pela investigação da AP-USA Today.

Após mais uma série de massacres nos Estados Unidos, o presidente fez uso dos poderes executivos para passar por cima do Congresso e, em janeiro, apresentou medidas para reforçar o controlo e a segurança do porte de armas. Em lágrimas, Barack Obama expressou ainda revolta em nome das crianças vítimas de armas de fogo.

O tema entrou na campanha presidencial e Hillary Clinton disparou contra o adversário Donald Trump e a poderosa NRA:

“Sabemos que o lóbi das armas é poderoso. Acredito que é o lóbi mais poderoso em Washington. E sabemos que alguns candidatos vão dizer e fazer tudo o que for preciso para que fiquem contentes”.

A NRA, associação que promove os direitos de quem possui armas de fogo, conta com mais de um milhão de sócios e prometeu uma campanha cerrada para evitar a eleição de Hillary Clinton, em novembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden apoia o filho após condenação, mesmo sem indulto. "Estamos orgulhosos do homem que ele é hoje"

A "contradição" norte-americana na guerra entre Israel e o Hamas

Morreu o ex-vocalista dos Smash Mouth, grupo que deu "brilho" à banda sonora de Shrek